PJ faz buscas em escritórios da REN e EDP em Lisboa

Judith Bessette
Junho 4, 2017

A Polícia Judiciária (PJ) está esta sexta-feira a fazer buscas nos escritórios da REN, EDP e na consultora Boston Consulting.

Também João Faria Conceição, administrador da REN e antigo consultor do ex-ministro Manuel Pinho, e Pedro Furtado, responsável de regulação na REN, foram constituídos arguidos no âmbito do processo. "A REN confirma que, durante o dia de hoje, decorreram diligências por parte das autoridades judiciais, na sede da empresa, em Lisboa".

Pedro Furtado é responsável de regulação na REN, tendo sido responsável de regulação e tarifas no gás de 2006 a 2012.

Dez anos depois de terem sido negociados os instrumentos que anualmente garantem à EDP receitas de milhões (os chamados CMEC), o Ministério Público anunciou que o processo, concretizado no tempo em que Manuel Pinho era ministro da Economia, pode envolver os "crimes de corrupção activa, corrupção passiva e participação económica em negócio".

A The Boston Consulting Group também já confirmou as buscas.

Tanto a Redes Energéticas Nacionais como a elétrica confirmaram, através de comunicado, a realização de buscas nas suas sedes, em Lisboa, sem adiantarem mais informações.

Leo Varadkar to become Ireland's first openly gay prime minister
He announced his candidacy after Prime Minister Enda Kenny announced his resignation, a title referred to as Taoiseach in Ireland. Varadkar said that he was "honored" and "humbled" and would accept the " enormous challenge " ahead of him, the BBC reported.

EDP e REN já adiantaram, junto de vários órgãos de comunicação, que estão a colaborar com as autoridades.

Já a consultora BCG explicou à TSF que "confirma que a Polícia Judiciária esteve presente no escritório em Lisboa, tendo disponibilizado todos os elementos necessários à investigação em curso, e que continuará a colaborar com as autoridades no que for necessário assegurando sempre a confidencialidade dos seus clientes".

"Os designados CMEC são uma compensação relativa à cessação antecipada de contratos de aquisição de energia", indica o comunicado oficial da PGR. A TSF sabe no entanto que as buscas estão relacionados com os custos de manutenção do equilíbrio contratual, uma compensação que a EDP recebe pelo fim dos contratos de aquisição de energia.

A EDP afirma que a busca insere-se "no âmbito de uma investigação que teve origem numa denúncia anónima" e que se reporta a matéria relacionada com os CAE e a sua substituição pelos CMEC, iniciada em 2004.

"Informamos que a REN continuará, como sempre a colaborar com as autoridades em tudo o que estiver ao seu alcance", adiantou fonte oficial da empresa liderada por Rodrigo Costa. Uma queixa que visava quer os CMEC (cuja metodologia a Comissão já tinha aprovado em 2007), quer o "baixo preço que a EDP pagou a Portugal em 2007 pela prorrogação sem concurso público do direito de utilização do domínio público hídrico" para exploração das barragens, "renunciando assim o Estado a receitas em benefício da EDP".

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL