'Quero matar todos os muçulmanos', diz autor do ataque em Londres

Patrice Gainsbourg
Junho 20, 2017

Uma pessoa morreu e dez ficaram feridas na sequência de um atropelamento ocorrido na madrugada desta segunda-feira em frente a uma mesquita em Finsbury Park, no Norte de Londres. A polícia investiga o incidente como sendo terrorista.

O motorista da van, um homem de 48 anos, ficou retido pela população e depois foi preso pela polícia.

"Eles têm uma mentalidade de que matar pessoas, é tão simples como isso", disse à AFP. Uma das pessoas afirmou que o motorista teria gritado: "vou matar todos os muçulmanos".

Depois do ataque, oito feridos deram entrada em três hospitais da capital britânica e outros dois foram tratados no local do ataque, sem necessidade de hospitalização.

Outras reclamaram da demora da polícia para chegar ao local do incidente - algumas disseram que foram 45 minutos de espera.

Após o incidente, a polícia instalou barreiras e montou um perímetro de segurança.
Em comunicado, Sadiq Khan pediu às pessoas que "permaneçam calmas e vigilantes". Ela qualificou o episódio de "terrível" e expressou sua solidariedade às vítimas e a suas famílias. May afirmou que seus "pensamentos estão com os feridos, seus parentes e as equipes de emergência".

LIBERDADE A primeira-ministra britânica, Theresa May, classificou o atropelamento como "tentativa doentia de destruir a liberdade religiosa".

Virginia Governor Calls For Stricter Gun Controls After Shooting
A year ago, Congress was in a gun control debate after the shooting deaths of 49 people at a gay nightclub in Orlando, Florida. Scalise is among 148 co-sponsors of a bill to loosen restrictions on silencers that had been set for a hearing Wednesday.

O condutor dirigiu o carro para cima de pessoas que saiam de uma mesquita poucos minutos depois da meia-noite. "Nossas orações estão com as vítimas", escreveu o MCB no Twitter.

Mohammed Shafiq, que dirige a organização muçulmana Ramadhan Foundation, condenou este "mal-intencionado ataque", em um comunicado.

Esse é o quarto ataque nos últimos três meses no Reino Unido chamado de "atentado terrorista" pelas autoridades.

Cage, uma associação muçulmana de defesa dos direitoe humanos, denunciou o "aumento desenfreado da islamofobia" e fez um pedido de "calma".

A multidão deixava a mesquita pouco depois da meia-noite neste mês do Ramadã, quando muitos fiéis se reúnem para rezar à noite depois da ruptura do jejum, quando a van branca atropelou um grupo de pessoas que tentavam ajudar um outro que havia desmaiado. A mesquita de Finsbury Park, perto do local do atropelamento, é onde o clérigo radical Abu Hamza pregava e já foi um centro conhecido por ter islamitas radicais, mas mudou completamente sob nova administração.

Apesar da mudança de liderança e do novo foco nas relações com a comunidade, a mesquita recebeu uma série de mensagens e cartas ameaçadoras após os ataques ocorridos em Paris.

"Um deles acabou sob a van e várias pessoas se reuniram para levantar o veículo para tirar o homem que estava em baixo", relatou. O autor, Salman Abadi, era um britânico de 22 anos de origem libanesa. O último ocorreu em 3 de junho, na London Bridge e no Borough Market.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL