Rússia ameaça derrubar aviões dos EUA na Síria

Patrice Gainsbourg
Junho 20, 2017

"Sob as regras de envolvimento de autodefesa coletiva das forças parceiras da coligação, o avião [das forças leais ao presidente Bashar al-Assad] foi imediatamente abatido", afirmou fonte do Pentágono à imprensa, acrescentando que esta se tratou de uma "ação hostil" que "não pode ser tolerada".

O Ministério de Defesa russo ainda disse que está suspendendo suas linhas de comunicação com os EUA que visam evitar incidentes não planejados na Síria.

Os Estados Unidos alegaram que o avião sírio havia bombardeado uma região muito próxima ao local onde estavam tropas da coalização que lidera na luta contra o Estado Islâmico (EI).

A Rússia está envolvida militarmente junto ao regime sírio de Bashar Al-Assad, enquanto os Estados Unidos apoiam e armam uma aliança árabe-curda e os rebeldes sírios.

O derrube, no passado domingo, de um avião SU-22, das forças governamentais sírias, por um caça F/A-18 Super Hornet norte-americano, perto da cidade de Tabqa, não foi bem recebido pela Rússia, a principal aliada de Bashar al-Assad.

Homem lança carro contra policiais na Champs-Elysées
O ministro lembrou que se tratou de "uma tentativa de atentado" e assegurou que a ameaça no país segue "muito elevada". No início de junho, um argelino agrediu com um martelo um policial em frente à Catedral de Notre Dame.

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros manifestou que o derrube do avião sírio "deve ser investigado, antes de tudo, como uma continuação da política americana de desprezo das normas do direito internacional".

O risco de escalada acontece num momento em que as tropas sírias se aproximam perigosamente das zonas controladas pelas forças apoiadas pelos Estados Unidos, especialmente as FDS.

A mídia estatal síria chamou de "agressão flagrante" e disse que o avião de guerra estava realizando uma missão contra militantes do Estado islâmico quando foi derrubado.

Na província de Raqqa, o regime não participa na ofensiva contra a capital, mas tenta alcançar a região através da província petrolífera de Deir Ezzor.

"O regime não quer que as forças apoiadas pelos americanos avancem mais ao sul de Raqa", acrescentou, explicando que à noite houve combates entre o exército sírio e as FDS nas duas aldeias situadas a cerca de 40 km ao sul da cidade de Raqa.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL