Nave espacial da Nasa sobrevoará Grande Mancha Vermelha de Júpiter

Eloi Lecerf
Julho 12, 2017

Miami, 10 Jul 2017 (AFP) - Uma nave não-tripulada da Nasa tem previsto voar sobre uma enorme tormenta em Júpiter durante viagem que poderá dar nova luz sobre as forças que movem a Grande Mancha Vermelha do planeta.

O anúncio foi feito pela agência através da sua conta no Twitter.

Astrônomos também acreditam que um entendimento maior da Grande Mancha Vermelha pode dar pistas sobre a estrutura, a mecânica e a formação de Júpiter como um todo.

"A misteriosa Grande Mancha Vermelha de Júpiter é provavelmente a face mais conhecida de Júpiter", afirmou Scott Bolton, principal pesquisador de Juno no Southwest Research Institute de San Antonio, no Texas. Juno, que no início deste mês cumpriu seu primeiro ano em órbita do gigante gasoso, oferecerá "a primeira imagem que a humanidade terá deste gigantesco fenômeno", disse a Nasa em um comunicado.

Imagem vazada do Google Pixel 2 XL revela aparelho com design incrível
Caso você não saiba, a LG é a companhia que vai fabricar o Pixel XL 2, por isso, muitos elementos utilizados no G6 e V30 deverão aparecer no próximo top de linha da Google.

A nave espacial partiu de Cabo Canaveral em agosto de 2011 em uma missão para estudar as origens, estruturas, atmosfera e magnetosfera de Júpiter.

A revelação das imagens da Grande Mancha Vermelha, uma tempestade activa com cerca de 16 mil quilómetros de diâmetro (o do planeta Terra ronda os 12 mil) e que atrai a atenção científica desde 1830, resulta de uma viagem de 12 minutos, onde o mais próximo que esteve do planeta foi a uma distância de 3500 quilómetros (uma distância quase quatro vezes superior à costa continental portuguesa de Norte a Sul), detalha a NASA no seu site.

Levin disse que se acredita que a tempestade é alimentada por energia que emana do interior de Júpiter combinada com a rotação do planeta, mas os mecanismos internos exatos são desconhecidos.

Mas irá demorar dias para que as leituras capturadas pelo conjunto de câmeras e outros instrumentos da Juno cheguem aos cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato de Pasadena, na Califórnia, e muito mais tempo ainda para que os dados sejam analisados.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL