Índice de difusão da indústria aumenta para 54% em julho, diz IBGE

Eloi Lecerf
Setembro 5, 2017

Linha de produção da fábrica da MAN em Resende, que produz caminhões e ônibus da Volkswagen.

O período acumulado de 12 meses, no entanto, continua a registrar uma contração de 1,1%, embora em constante refluxo desde a queda de 9,7% em junho de 2016.

O índice de difusão da indústria, que mede o porcentual de produtos com avanço na produção, aumentou de 46,1% em junho para 54% em julho, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal divulgados nesta terça-feira, 5, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre junho e julho, houve crescimento em todos os principais setores: bens de capital (+1,9%), bens intermediários (+ 0,9%) e bens de consumo (+ 0,6%), tanto duráveis (+2,7%) como semi-duráveis (+2%).

Com relação a julho de 2015, o crescimento da produção industrial foi de 2,5% e nos primeiros sete meses do ano atingiu 0,8%, de acordo com o IBGE. Em junho, o setor avançou 0,2%, mas fechou o primeiro semestre com alta de 0,5%. É a maior taxa para uma comparação mensal desde junho de 2013.

PRF prende homem com 89 quilos de maconha em Alto Paraíso
De acordo com a PRF, o homem demonstrou nervosismo durante a abordagem e incoerências com relação ao trajeto que fazia. Segundo o motorista ele pegou a droga em Ponta Porã (MS) e pretendia levá-la até Joinville (SC).

Nessa comparação, sem ajuste, as estimativas variavam de um aumento de 0,7% a 2,83%, com mediana positiva de 1,8%. Já Bens semiduráveis e não duráveis cresceram 2 por cento em julho. Mas entre rankings de maiores e menores cidades, um índice importante passou praticamente ignorado: em menos de uma década, o Brasil aumentou em 8,5 milhões o número de idosos.

Em seguida, aparecem as atividades de produtos derivados de petróleo e biocombustíveis (1,9%) e equipamentos de informática e produtos eletrônicos (5,9%). Esta é a quarta alta consecutiva do indicador nesse tipo de comparação.

- A parte dos bovinos, favorecida pelas exportações ou pelos preços, também ajudam a explicar esse crescimento de produtos alimentícios - explicou André Macedo, gerente da coordenação de Indústria do IBGE. No ano, a produção de bens de consumo subiu 1,4%.

Entre as grandes categorias, bens de consumo duráveis foi o setor que mostrou expansão mais acentuada, avançando 2,7% em relação a junho.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL