Preço da cesta básica diminui em 21 capitais, aponta Dieese

Oceane Deschanel
Setembro 6, 2017

Nos últimos 12 meses, o valor da cesta caiu em todas as cidades pesquisadas.

Considerando o valor pago pelo fortalezense e, tomando como base o salário mínimo vigente no País de R$ 937,00 (valor correspondente a uma jornada mensal de trabalho de 220 horas), pode-se dizer que o trabalhador teve que despender 91 horas e 25 minutos de sua jornada de trabalho mensal para essa finalidade. Os números foram divulgados ontem pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) que aponto, também, redução de preços nos alimentos em outras 22 capitais brasileiras. Porto Alegre foi a cidade com a cesta mais cara (R$ 445,76), seguida por São Paulo (R$ 431,66) e Florianópolis (R$ 426,30). Os menores valores foram observados em Salvador (R$ 332,10), Natal (R$ 336,12) e no Recife (R$ 340,54).

As quedas mais expressivas em agosto foram registradas em Campo Grande (-7,09%), Salvador (-7,05%), Natal (-6,15%) e Recife (-5,84%).

Doodle do Google homenageia o cantor do 'tro lo lo'
O artista é homenageado no Doodle devido a seu aniversário-se vivo, Khil faria 83 anos nesta segunda-feira. A homenagem de hoje do Google em sua página inicial vai para o cantor soviético Eduard Khil .

A farinha (-3,65%) foi o produto que apresentou maior queda no mês, seguido da banana (-3,62%), do óleo de soja (-2,82%), do arroz (-2,14%), do açúcar (-1,57%), da carne (-1,53%), tomate (-1,50%), do café (-1,25%) e do pão (-0,64%). Entre janeiro e agosto, o custo da cesta teve queda em 23 capitais, com destaque para Campo Grande (-12,98%), Cuiabá (-1,79%), Manaus (-9,39%) e Belém (-8,50%). Entre os produtos que registraram redução no preço médio, em agosto, destacam-se o tomate e o feijão, com variações de -28,37% e -19,43%, respectivamente.

De acordo com levantamento do DIEESE, o salário mínimo em agosto passado que seria considerado suficiente para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 3.744,83.

Em agosto de 2017, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 88 horas e 35 minutos, menor que o de julho, quando ficou em 90 horas e 40 minutos.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL