Huawei ultrapassa Apple e é a segunda maior marca de smartphones

Eloi Lecerf
Setembro 9, 2017

A companhia chinesa Huawei ultrapassou a Apple e se tornou a segunda maior vendedora de smartphones, aponta o relatório da Counterpoint Research.

Embora esta série possa ser temporária, considerando que a atualização anual do iPhone está ao virar da esquina, ressalta bem a taxa de crescimento que a Huawei tem registado.

"A fraca presença nos mercados sul-asiáticos, indiano e norte-americano limita o potencial da Huawei em curto e médio prazo para sustentar o segundo lugar atrás da Samsung", registra Richardson. "As marcas chinesas, com a sua posição dominante em mercados-chave, como China, Europa, Ásia e América Latina, restringiu a perspectiva de crescimento de marcas líderes globais como Samsung e Apple", declara o analista Tarun Pathak. "As marcas chinesas estão a cerscer rapidamente, não só pelo design dos smartphones, capacidade de fabrico e conjuntos de recursos ricos, mas também por rivalidades fora do mercado e fora do consumo em canais de vendas, estratégias de promoção de entrada no mercado e de marketing".

Furacão Irma pode atingir a Flórida
Em Blowing Point, no sul da ilha e área de ligação com São Martinho, a força do furacão empilhou mais de 50 embarcações na orla. O presidente americano, Donald Trump, declarou estado de emergência em Porto Rico , na Flórida e nas Ilhas Virgens .

A Huawei não esconde de ninguém o seu ambicioso objectivo de ser a principal marca de smartphones do mundo.

A sua estrategia de um marketing agressivo e a expansão de lojas físicas tem dado frutos, mas já se sabe que o ultimo trimestre do ano é muito dedicado à marca da maçã, pois espera-se a Apple apresente os seu novos iPhones, e com isto aumente bastante as suas vendas.

No terceiro e quarto lugar aparecem os R11 e A57 da OPPO, marca oriunda da china. Estes foram seguidos pelo flagship Galaxy S8 da Samsung, Xiaomi Redmi Note 4X e Samsung Galaxy S8 +. "Enquanto a Huawei cortou o seu portfólio, provavelmente precisará racionalizar ainda mais sua gama de produtos, como a Oppo e a Xiaomi fizeram - colocando mais músculo por trás de menos produtos".

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL