Fachin manda prender Joesley Batista e Ricardo Saud

Patrice Gainsbourg
Setembro 10, 2017

A medida ocorreu após pedido de prisão feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Além disso, os defensores dos dois executivos da J&F haviam pedido para serem ouvidos por Fachin antes de o magistrado tomar uma decisão sobre o pedido de prisão apresentado pelo procurador-geral da República.

Na segunda-feira (4), a PGR informou que novos áudios entregues pelos delatores da JBS indicam que o ex-procurador da República Marcello Miller atuou na "confecção de propostas de colaboração" do acordo que viria a ser fechado entre os colaboradores e o Ministério Público Federal (MPF). Ele não falou com a imprensa, que só pode fazer perguntas a seu advogado. Não tem qualquer contato com o procurador, por qualquer meio, pelo menos desde outubro de 2016.

Suspeito de favorecer o grupo J&F enquanto ainda era membro do Ministério Público Federal, o ex-procurador da República Marcelo Miller protocolou requerimento no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo para que seu pedido de prisão seja rejeitado pelo ministro Edson Fachin, relator do caso - ou, ao menos, para que sua defesa seja ouvida antes de o magistrado decidir se autoriza ou não a medida. "Essa acusação é uma infâmia e se espera que, com os esclarecimentos que ele prestou hoje, tudo venha à tona".

México: Presidente alerta para possibilidade de forte réplica em 24h
O epicentro do terremoto foi no litoral de Chiapas, estado mexicano, bem próximo à fronteira com a Guatemala. O mais violento do mundo também foi na região: o terremoto de magnitude 9,5 no Chile, em 22 de maio de 1960.

Perguntado sobre o pedido de prisão apresentado por Janot, Perecmanis afirmou que ficou sabendo pela imprensa e que, "se realmente for verdade, causa muita espécie". Por volta de 20h30, o advogado informou que a prisão preventiva de Miller não havia sido cumprida. Então para quê esse depoimento? Dez horas de depoimento para já ter um pedido pronto?

Sobre a menção a nomes de alguns ministros do Supremo, os dois delatores pediram desculpas e afirmaram que não tinham conhecimento de nenhum ato ilícito do Supremo Tribunal Federal e da Procuradoria-Geral da República. Sempre teve uma vida republicana no Ministério Público - disse Perecmanis, a jornalistas. Essa é a pergunta, mas não sei se existe o pedido efetivamente.

Os delatores argumentam que apenas consultaram Miller em linhas gerais sobre o processo de delação e que acreditavam que ele já havia saído da PGR.

Joesley negou que tenha sido orientado por Miller. "A questão da quarentena foi esclarecida". Essas referências envolvem Marcelo Miller, antigo colaborador de Janot, que deixou a PGR no final do ano passado para trabalhar num escritório de advocacia que acabou sendo contratado pela empresa JBS para negociar o acordo de colaboração da empresa com a Justiça.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL