Nuzman tinha mais dinheiro em casa do que no banco

Patrice Gainsbourg
Setembro 10, 2017

O objetivo é cumprir mandados contra suspeitos de comprar jurados da eleição da cidade sede da Olimpíada de 2016. Em março, após a primeira denúncia de compra de voto feita pelo jornal francês Le Monde, Andrada minimizou as alegações, dizendo que a vitória do Rio "foi claríssima" e "limpa". O presidente do COB está impedido de sair do País e entregou às autoridades três passaportes: o brasileiro, o diplomático e o russo. O mandatário ficou por cerca de cinco horas no local. Sem uma reação satisfatória, a testemunha teria optado por prestar depoimento de forma voluntária ao Ministério Público da França, antes mesmo do início dos Jogos de 2016 no Brasil.

Por quebra de e-mails trocados entre os sócios, o MPF descobriu que o Arthur pretendia se mudar para o Uruguai.

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 se tornaram alvo da Lava Jato, que, nesta terça-feira (5), deflagrou uma operação, batizada "Unfair Play", que tem como alvo a edição brasileira do maior evento esportivo do planeta. Para o MPF, Nuzman participou de forma direta da compra de votos dos integrantes do Comitê Olímpico Internacional (COI). Já o "Rei Arthur", acusado de repassar dinheiro a dirigentes esportivos, permanece foragido. Segundo o MPF, o pagamento de US$ 2 milhões foi realizado por intermédio da empresa Matlock Capital Group, sediada nas Ilhas Virgens britânicas e pertencente a Soares.

Ao investigar e prender o senegalês, a polícia francesa considerou que a comissão da qual Carlos Arthur Nuzman fazia parte jamais agiu diante da corrupção conduzida pelo chefe da entidade. Os agentes etão na casa dele, no Jardim Pernambuco, no Leblon. A operação tinha dois mandados de prisão: um contra o empresário Arthur Soares e outro contra a ex-sócia dele, Eliane Cavalcanti. Rei Arthur, cujo nome já se encontra na difusão vermelha da Interpol, está na condição de foragido. Além de presidente do COB, Nuzman, "após a escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos, passou a acumular também o cargo de presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016". A empresa do cartola NZ Palestra, não teve bens bloqueados.

Após cerca de 3 horas, termina depoimento de Joesley na PGR
Naquele momento, Miller estaria tentando "justificar a situação" que teve a JBS como um dos principais alvos da Polícia Federal. O ex-procurador Marcello Miller deve depor sobre o assunto nesta sexta (8).

Ele obteve mais de R$ 3 bilhões em contratos com o Estado do Rio durante a gestão Cabral. Essa conta era gerenciada por um operador financeiro do grupo de Cabral.

As investigações ainda vão determinar se esta ação teve relação com a escolha de Tóquio como sede da próxima Olimpíada.

A sócia de Arthur, Eliane Cavalcante, foi presa ontem, em seu apartamento no bairro de Laranjeiras, zona sul do Rio. As empresas de Soares receberiam em retorno contratos com o governo do Estado. A Lava Jato, que já prendeu Cabral e tem vasto material sobre seus esquemas de corrupção no Rio de Janeiro, preencheu algumas lacunas.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL