PF prende Wesley Batista em SP e cumpre nova prisão de Joesley

Judith Bessette
Setembro 13, 2017

Eles poderão ser responsabilizados pelo crime de utilizar informações privilegiada ao mercado, onde poderia tirar vantagem para si ou para outra pessoa, a prisão faz parte da 2ª fase da operação Tendão de Aquiles em que também também foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão.

Joesley e Saud devem cumprir prisão temporária de cinco dias devido à entrega à Procuradoria-Geral da República, por parte da própria J&F, de áudios comprometedores, segundo os quais a dupla teria omitido informações relevantes nos primeiros depoimentos, feitos sob suposta assessoria do ex-procurador Marcello Miller, poupado da prisão. Em junho deste ano, na primeira fase, a PF cumpriu três mandados de busca e apreensão nas empresas do grupo J&F e quatro conduções coercitivas. Além de Wesley, os agentes da PF também tinha ordem para prender Joesley, que já estava preso.

O empresário Joesley Batista, um dos acionistas do frigorífico JBS e um dos maiores doadores de campanhas eleitorais no Brasil, fechou acordo de delação premiada com a PGR em maio, quando entregou aos investigadores da força-tarefa da Lava Jato o áudio de uma conversa entre ele e o presidente Michel Temer. Como se entregou à PF de São Paulo no domingo (10), e ainda não foi transferido para o Distrito Federal, o empresário não comparecerá à oitiva.

Segundo o Ministério Público Federal a decisão deve atingir pessoas ligadas ao grupo econômico que não integram a lista de colaboradores, incluídos no acordo de colaboração já homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Prisão de Joesley enfraquece eventual 2ª denúncia contra Temer — Pauderney
Joesley saiu da sede da PF com um terço nas mãos rumo ao Aeroporto de Congonhas, onde ele e Saud pegaram um voo para Brasília . A grande dúvida agora é se Marcelo Miller orientou empresários enquanto ainda trabalhava na Procuradoria-Geral da República.

O crime está previsto no artigo 27-D da Lei 6.385/76, que regula o mercado de valores mobiliários.

A respeito da prisão de Wesley, o advogado Pierpaolo Bottini afirmou: "É absurda e lamentável a prisão e o inquérito aberto há vários meses em que investigados se apresentaram para dar explicações".

A operação desta segunda era para ter acontecido junto com a prisão de Joesley e Saud. Dono de 21% das ações da JBS, o banco estatal manifesta há um mês intenção de tirar Wesley da presidência da companhia de alimentos, que é controlada pelos irmãos Batista.

Na última sexta-feira (8), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, havia enviado ao STF um pedido de prisão dos delatores da JBS Joesley Batista e Ricardo Saud e também do ex-procurador Miller.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL