Irmãos Batista no WhatsApp de Miller

Patrice Gainsbourg
Setembro 14, 2017

A Polícia Federal [VIDEO] acabou desvendando algumas mensagens que foram encontradas no celular do procurador da República Marcello Miller, braço direito de Janot e também implicado no caso JBS.

A PF descobriu um grupo de WhatsApp que tinha entre seus participantes Joesley e Wesley Batista, advogados da JBS e Marcello Miller, relata a Veja.

Em nota, a defesa de Miller informou que o ex-procurador "nunca atuou como intermediário entre o grupo J&F ou qualquer empresa e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot ou qualquer outro membro do Ministério Público Federal".

Ameaças de bomba obrigam à remoção de 10 mil pessoas em Moscovo
Segundo a RT, não é a primeira vez que ameaças de bomba obrigam a grandes evacuações na Rússia nos últimos dias. As autoridades russas não reagiram publicamente a esta onda de alertas.

Já durante o mês de março, o procurador Miller já orientava a concretização de um acordo de colaboração premiada entre os irmãos Batista e executivos da empresa, para com a Procuradoria-Geral da República, da qual o procurador fazia parte.

As trocas de mensagens estavam em um celular de Wesley Batista apreendido em maio deste ano, durante a quarta fase da Operação Lama Asfáltica, deflagrada em maio deste ano. Miller é suspeito de ter atuado em favor dos controladores do Grupo J&F enquanto ainda trabalhava no MPF.

Em nota, Miller afirmou que 'repudia veementemente as insinuações e ilações feitas com base no conteúdo das gravações e mensagens divulgadas na imprensa'.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL