MP do Amazonas recua sobre confirmação de massacre de índios na Amazônia

Oceane Deschanel
Setembro 14, 2017

O Plenário do Senado aprovou, nesta quarta-feira (13), requerimento da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) que propõe a criação de uma comissão externa do Senado para averiguar a denúncia de massacre de indígenas de uma tribo isolada na Terra Indígena Vale do Javari.

Caso tais relatos sejam confirmados, o Presidente (Michel) Temer e seu governo possuem uma grande responsabilidade por este ataque genocida, aponta o texto, que critica, além disso, os cortes no orçamento da Fundação Nacional do Índio (Funai).

A Funai informa que a área sob investigação fica em um local de difícil acesso nas proximidades dos rios Jandiatuba e Jutaí, perto da fronteira com o Peru, a aproximadamente mil quilómetros de Manaus, capital do Estado do Amazonas. A Funai afirma que garimpeiros foram presos e conduzidos ao município de Tabatinga, interior do Amazonas, para prestar depoimento sobre o caso.

Conforme a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari, o massacre, de fcato ocorreu, mas ainda não é possível precisar quantos índios foram executados.

Novela "A Força do Querer": Bibi (Juliana Paes) abandona Rubinho após traição!
Logicamente, Jeiza percebe toda a situação e depois questiona Caio ( Rodrigo Lombardi ) por quanto tempo eles se relacionaram. Preciso de você, amor. " Pra comer? Eu sozinha pra segurar o touro pelos chifres?", falará Bibi .

"Servidores da Funai fizeram o primeiro levantamento e entenderam ser necessário apresentar a denúncia", diz um comunicado do órgão reforçando que a apuração está sendo conduzida pelo procurador da República, Pablo Luz de Beltrand.

"Eles não confirmaram as mortes e, até o presente momento, nenhuma prova material foi encontrada que comprove o suposto massacre, não sendo possível, portanto, confirmar a veracidade das mortes", diz a Funai.

O Ministério Público investiga uma segunda denúncia, sobre o assassinato de indígenas da isolada tribo dos Warikama Djapar, em maio passado. "Algumas pessoas estão sendo ouvidas e há diligências em curso; não temos como dar detalhes sobre elas, no atual momento, para não atrapalhar a investigação", confirmou o MPF-AM, em nota. De acordo com os investigadores, a atividade de mineração tem avançado sobre o rio, que cruza três terras indígenas e é amplamente utilizado por índios isolados para sua subsistência.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL