Florida começa a avaliar danos após a passagem do furacão Irma

Patrice Gainsbourg
Setembro 15, 2017

O Irma, qualificado pela Organização Mundial de Meteorologia como o furacão mais forte de sempre no Atlântico, voltou a enfraquecer nas últimas horas e está agora classificado como depressão tropical, avançando na direção noroeste.

Algumas áreas do arquipélago de Flórida Keys, por sua vez, permitirão também nesta terça (12) que os moradores retornem para avaliar os danos causados pelo Irma. "As pessoas pensaram que milhares e milhares de pessoas poderiam morrer, e o número é um número muito pequeno, o que é um grande mérito de vocês".

Os militares distribuirão alimentos e ajudarão a retirar 10 mil habitantes que não partiram antes da tempestade, disse o Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

Autoridades pedem para que a população tome cuidado com fios elétricos derrubados, esgoto sem tratamento e também com fauna deslocada, como serpentes e jacarés.

Ministério Público pede que Eurico seja destituído da presidência do Vasco
Os promotores acreditam que o clube descumpre artigos do Estatuto do Torcedor referentes à prevenção da violência nos estádios. A torcida teria provocado a briga generalizada que resultou na morte do torcedor vascaíno David Rocha Lopes, de 27 anos.

Imagens de vídeo das ilhas mostraram casas devastadas por ventos de até 210 km/h que deixaram Florida Keys sem energia, água encanada e serviço de celular.

Após sobrevoar a área, o governador da Flórida, Rick Scott, disse que Flórida Keys ficou "devastada", e que diversos veículos foram destruídos.

O repórter da MSNBC Fawad Rehman publicou um vídeo, este domingo (10), em seu perfil no Twitter lutando para não ser carregado pelos ventos do furacão Irma, em Key West, na Flórida (EUA).

Após o mais intenso êxodo urbano de todos os tempos registrado na Flórida, onde mais de seis milhões de pessoas abandonaram suas casas, "Irma" deixou estragos nas regiões de Miami e Naples, e seguia com força rumo à Cape Coral, São Petersburgo e Tampa, regiões de baixo relevo e suscetíveis às grandes inundações.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL