UE reforça sanções com novo endurecimento já em agenda — Coreia do Norte

Patrice Gainsbourg
Setembro 16, 2017

O Japão emitiu um alerta através de telefones celulares e da televisão, avisando sobre o lançamento da Coreia do Norte e pedindo à população que se abrigasse.

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente chinês, Xi Jinping, caminham juntos em sua residência em Mar-a-Lago em Palm Beach, na Flórida Foto: JIM WATSON / AFPAcordo entre EUA e ChinaUm acordo entre os dois países parece uma boa opção, mas está distante.

O Pentágono confirmou o lançamento.

"O Comando americano do Pacífico determinou que este míssil balístico não representou uma ameaça para Guam", acrescentou o Pentágono.

O lançamento do míssil balístico ocorreu por volta das 19h de quinta-feira (de Brasília, 7h da manhã de sexta-feira na hora local). Um diplomata disse à France Presse que o debate acontecerá a portas fechadas.

O governo do Japão informou na tarde desta quinta-feira que um míssil foi lançado da Coreia do Norte e, provavelmente, passou sobre território japonês, segundo a rede de notícias japonesa NHK.

Jornalista inglês é arrastado para lagoa e morto por crocodilo
Lamont descreve-o como sendo um "talentoso, energético e dedicado jovem jornalista" que tinha "uma grande carreira pela frente". Fawas Leffer afirmou ainda que esta é a primeira vez que tem conhecimento de um ataque de crocodilo no Sri Lanka.

Pyongyang havia prometido na quarta (13) acelerar seus programas militares proibidos em resposta às "maléficas" sanções da ONU.

O Conselho de Segurança aprovou por unanimidade uma resolução proposta pelos EUA e sanções que preveem a proibição das exportações têxteis norte-coreanas, um produto estratégico que dá as segundas maiores receitas ao país.

Autoridades da Coreia do Sul e dos EUA estão analisando os detalhes do lançamento, segundo escritório das Forças Armadas em Seul.

Trump anunciou a intenção de visitar China, Japão e Coreia do Sul em novembro, em sua primeira visita à Ásia. A ilha fica a 3.400 km da Coreia do Norte.

O chefe da diplomacia norte-americana dirigiu o apelo particularmente à China e à Rússia, que têm estreitos laços com a Coreia do Norte, e exortou Pequim e Moscovo a mostrar a sua "intolerância face a estes imprudentes lançamentos de mísseis e a empreender as suas próprias ações diretas" contra Pyongyang.

Na passada terça-feira, a Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros saudou as novas sanções adotadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas contra a Coreia do Norte, considerando que a comunidade internacional "fez o que tinha a fazer".

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL