Defesa de Michel Temer quer que denúncia retorne à PGR

Patrice Gainsbourg
Setembro 19, 2017

A defesa do presidente Michel Temer pediu nesta sexta-feira (15) ao Supremo Tribunal Federal que a denúncia por organização criminosa seja refeita. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, a tendência do STF é dar aval ao ministro Edson Fachin, relator do caso, para remeter a acusação formal contra Temer à Câmara.

A decisão coincide que o desejo da defesa do presidente Temer, que, mais cedo, protocolou no Supremo pedido para que o ministro suspendesse o envio até próxima quarta-feira (20), quando a Corte vai retomar o julgamento, iniciado nesta semana, que analisa a possibilidade de suspender a apresentação de denúncia contra o presidente da República baseada nas provas obtidas por meio da delação dos executivos da J&F. A primeira reunião divulgada pelo governo foi com os ministros Aloysio Nunes (Relações Exeteriores) e Sergio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional) para discutir detalhes da reunião da ONU (Organização da Nações Unidas), como discurso, reuniões bilaterais e um jantar que Temer terá com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na segunda-feira (18).

O Supremo não poderá analisar a questão antes de uma decisão prévia da Câmara.

A segunda acusação formal foi apresentada após o Supremo rejeitar o afastamento do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, das investigações contra Temer no caso J&F.

IPhone X Likely to Land in South Korea in December
Hence, the comparison between the two go beyond their size as both share some similarities in more ways than one. The disgraced Note 7 phone was recalled twice and discontinued after it spontaneously overheated or caught fire.

Auxiliares de Temer interpretam a decisão de Fachin não como uma posição isolada do relator, mas como um entendimento mais amplo de um setor majoritário do STF de que Janot, em fim de mandato e alvo de severas críticas, não tinha condições para apresentar a denúncia e deveria ter deixado a iniciativa para a sucessora. Entre elas, nomes da cúpula do Planalto, como os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Padilha). Há dúvidas sobre a condução que ela dará para a Operação Lava Jato e forças-tarefa em parceria com a Polícia Federal.

A autorização prévia para processar o presidente da República está prevista na Constituição.

O procurador também informou na quinta-feira, 14, que rescindiu o acordo de colaboração premiada de Joesley Batista e Ricardo Saud, respectivamente dono e ex-executivo do Grupo J&F. "Mas, nesses casos em que o STF é apenas via de passagem para a remessa dos autos à Câmara, entendo que não se possa obstar a tramitação da eventual denúncia oferecida pelo MPF", completou.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL