Coreia do Norte diz que se tornou inevitável bombardear os EUA

Patrice Gainsbourg
Setembro 26, 2017

Ri Yong Ho chamou ao Presidente norte-americano "uma pessoa mentalmente perturbada, cheia de megalomania e excesso de confiança", com o seu dedo no "botão nuclear".

De salientar que a declaração do chefe da diplomacia norte-coreana surge também no dia em que um esquadrão de bombardeiros nucleares norte-americanos fez um voo de reconhecimento perto da costa da Coreia do Norte, no limite do território norte-coreano, para enviar "uma mensagem clara" a Pyongyang, divulgou o Pentágono.

Ri Yong Ho advertiu que a Coreia do Norte está a entrar na "fase final" de criação de um sistema nuclear, que considera uma "medida de autodefesa" para evitar que os Estados Unidos possam realizar "uma invasão militar".

Ri ainda chamou de "erro irreversível" o apelido dado pelo presidente dos EUA ao líder norte-coreano - Trump vem chamando Kim de "Homem Foguete"-, e destacou que quem está em uma "missão suicida" é o próprio republicano.

"Esse foi o local mais ao norte da zona desmilitarizada ao qual um avião de combate americano ou um bombardeiro sobrevoou próximo ao litoral norte-coreano no século 21", disse a porta-voz do Pentágono, Dana White.

Ronaldo comovido com menino mexicano que morreu no sismo
Agora que Deus o levou, a única coisa que quero é que você saiba que o grande sonho do meu filho era conhecê-lo. Na passada terça-feira, dia 19 de setembro, um sismo de magnitude 7,1 na escala de Richter atingiu o México.

E no mesmo dia, milhares de norte-coreanos participaram neste sábado (23) de uma grande manifestação antiamericana convocada pelo regime em Pyongyang para encenar o apoio ao líder Kim Jong-un, em um momento marcado pela troca de insultos com Donald Trump, informou hoje a agência "KCNA".

"Trump está transformando as Nações Unidas em um ninho de gangsters onde somente o dinheiro é respeitado e o derrame de sangue é cotidiano", declarou Ri.

As chances de um novo teste nuclear norte-coreano contribuiu para uma escalada verbal entre Trump e Kim, apesar dos pedidos de Moscou pelo fim das provocações.

O maior teste nuclear de Pyongyang foi no dia 3 de setembro, e o regime ameaça testar uma bomba de hidrogênio oceano Pacífico.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL