Voos da Ryanair cancelados geram mais de 300 queixas só na DECO

Oceane Deschanel
Setembro 28, 2017

A explicação da Ryanair continua a ser a de que enfrenta um problema de escalas de férias dos seus pilotos porque teve que acomodá-las em nove meses, em lugar de doze, por querer que o seu ano fiscal, até agora de Abril a Março do ano seguinte, já em 2018 coincida com o ano de calendário, portanto, de Janeiro a Dezembro.

A Deco recebeu mais de 300 queixas de passageiros portugueses afetados pelo cancelamento de voos pela companhia aérea irlandesa Ryanair para setembro e outubro, informou ontem a associação de consumidores.

Num comunicado, a Ryanair propõe aos passageiros afetados pela nova calendarização a marcação de novos voos ou reembolsos.

Os passageiros da Ryanair afetados pelos cancelamentos têm direito a indemnizações, até cerca de 400 euros por viagem cancelada, além do reembolso ou remarcação da viagem e refeições/alojamento.

A Ryanair, entre Novembro e Março, vai operar com menos 25 aviões com o objetivo de "eliminar o risco de futuros cancelamentos de voos, porque um crescimento mais lento permite libertar aviões e tripulações nas 86 bases da Ryanair, este Inverno".

Vídeo mostra teste com primeiro táxi voador sem piloto
O veículo tem autonomia para voos de 30 minutos, então não se espera que os usuários façam viagens longas dessa forma. No teste de ontem, o Volocopter planou por cerca de cinco minutos a uma altura aproximada de 200 metros do solo.

Numa conferência de imprensa realizada em Dublin, sede da companhia aérea, O'Leary pediu desculpas aos milhares de passageiros afetados por esta medida, mas insistiu que apenas seriam afetados 2% de todos os voos da companhia, líder na Europa no setor 'low cost'.

Entre as três centenas de reclamações há casos de passageiros que tiveram de pagar alojamento, nomeadamente em países estrangeiros, outros que tinham comprado voos com escala, ambos da Ryanair, mas a companhia não assume a responsabilidade por ambos os voos, e até um grupo de estudantes estrangeiros que, devido ao cancelamento de voo, ultrapassaram o prazo do visto necessário para poderem viajar.

Agora, neste comunicado de hoje, o responsável volta a pedir desculpa e garante que não haverá mais cancelamentos além dos já anunciados.

A informação especifica que porém a companhia tem mais de 2.500 pilotos "em lista de espera ansiando" por entrar para os seus quadros e que tem contratados 650 para entrarem até Maio do ano passado.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL