Hackers: Coreia do Norte roubou planos de guerra à Coreia do Sul

Patrice Gainsbourg
Outubro 10, 2017

Hackers norte-coreanos dizem ter roubado uma grande quantidade de documentos militares da Coreia do Sul, incluindo um plano para assassinar o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

Em maio deste ano, o Ministério de Defesa sul-coreano acusou a Coreia do Norte de supostamente invadir sua rede informática interna, embora não tenha revelado se informações sensíveis foram roubadas.

Em causa estão planos de contingência em caso de guerra, assim como informações sobre as infraestruturas militares e energéticas da Coreia do Sul.

A notícia intensifica o conflito na península e gerou críticas ao governo sul-coreano.

Os hackers entraram no Centro Integrado de Documentação de Defesa de Seul em setembro do ano passado para roubar documentos secretos, que incluíam planos de operações conjuntas dos exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos, afirmou hoje o deputado do governante Partido Democrático, Lee Cheol-hee, em um comunicado divulgado pela agência "Yonhap".

Os hackers teriam acessado planos que seriam usados pelas forças especiais sul-coreanas, além de informações sobre plantas nucleares importantes e outras instalações militares no Sul.

Versão do Windows 10 para celulares chega ao fim, confirma executivo
A verdade é que o mesmo é pouco atrativo dado que a sua quota de mercado é, de acordo com a Gartner, de apenas 0,3%. O 'sprint' para tentar apanhar o iOS e o Android levaram a marca de Redmond a cometer vários erros.

Antes da sua morte, o meio-irmão, cuja existência era praticamente desconhecida entre os norte-coreanos, tinha uma vida luxuosa num exílio fora da Coreia do Norte.

Pyongyang negou envolvimento no mais recente ataque cibernético e criticou Seul por "fabricar" as acusações, comunicou a agência de notícias Yonhap.

A Coreia do Norte depende em grande parte do comércio com a China, mas Pequim está a colocar cada vez mais pressão sobre Pyongyang, numa tentativa de aliviar a tensão com Washington.

Em seu primeiro discurso na Assembleia Geral da ONU, em setembro, Trump ameaçou destruir a Coreia do Norte caso ela ameace seu país ou seus aliados, e disse que Kim Jong-un está em uma "missão suicida".

Os dois países têm travado uma guerra verbal nos últimos meses a respeito das atividades nucleares da Coreia do Norte, com o governo de Donald Trump pressionando pela interrupção dos testes de mísseis e Pyongyang afirmando que vai mantê-los.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL