Versão do Windows 10 para celulares chega ao fim, confirma executivo

Eloi Lecerf
Outubro 10, 2017

Aliás, até os nomes fortes da Microsoft, como Joe Belfiore e Bill Gates assumiram utilizar diariamente dispositivos Android, o que mostra bem as limitações da versão mobile do Windows. "Mas a construção de novas ferramentas ou de hardware não está nas nossas prioridades", referiu Joe Belfiore num tweet. Consertaremos bugs, soltaremos atualizações de segurança. As informações são do Estadão Link. A verdade é que o mesmo é pouco atrativo dado que a sua quota de mercado é, de acordo com a Gartner, de apenas 0,3%. No entanto, a companhia nunca admitiu o fato até então.

A Microsoft praticamente decretou o fim do Windows Phone nesta segunda-feira ao declarar por encerrado o desenvolvimento de novos recursos para a plataforma.

Economia brasileira crescerá 2,43% em 2018, prevê mercado
Para o próximo ano, a estimativa dos especialistas do mercado para o superávit avançou de US$ 50 bilhões para US$ 50,8 bilhões. Para as transações correntes, (todas as operações do Brasil com o exterior) a projeção de déficit ficou em US$ 15 bilhões.

A questão da falta de aplicativos para o ecossistema foi um dos temas questionados pelos internautas e o executivo afirmou que a Microsoft tentou tudo que podia para atrair os desenvolvedores: "nós tentamos COM MUITA FORÇA incentivar os desenvolvedores de aplicativos". Depois, durante as conferências Build and Inspire da empresa, o presidente executivo Satya Nadella deixou de lado o mantra "mobile-first, cloud-first" (primeiro o celular e a nuvem) para focar no que chamou de navegador e nuvem inteligente. "Pagamos, desenvolvemos para as startups, mas o volume de usuários era muito baixo para que elas investissem", explicou Belfiore no Twitter. O 'sprint' para tentar apanhar o iOS e o Android levaram a marca de Redmond a cometer vários erros.

Os smartphones com Windows estão realmente mortos.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL