Mais um escândalo: Temer exonera ministros para salvá-lo na Câmara

Patrice Gainsbourg
Outubro 19, 2017

De acordo com a Folha de S. Paulo, a primeira medida de Delgado será tirar os deputados governistas Danilo Forte (CE) e Fabio Garcia (MT) da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), que analisa a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), que coordena a tentativa de destituição, disse que a exoneração dos ministros é uma "manobra clara" do Palácio do Planalto, que "interferiu dentro da bancada" para impedir as mudanças na CCJ.

Nos últimos meses, o PSB vem enfrentando uma divisão ideológica entre seus parlamentares.

A mudança garante quatro votos do PSB no colegiado favoráveis ao prosseguimento da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, conforme posicionamento definido pelo Diretório Nacional do partido. "Nós vínhamos há muito tempo passando por esse constrangimento de as votações da grande maioria no plenário serem dissonantes da indicação da liderança". E agora a gente vai tentar encontrar uniformidade. Uma das prerrogativas do líder é justamente indicar e substituir membros das comissões.

How to download the Windows 10 Fall Creators Update right now
We have reached out to Microsoft about the glitch to see if they will patch the issue and will update if we get a response. And whether you like the update or have any complaints, do let us know about the same in the comment section below.

RachaO PSB vive uma crise interna por causa do racha na bancada, dividida entre o grupo pró-Michel Temer e o grupo de oposição ao governo.

Com medo de não conseguir os votos necessários para se salvar da denúncia de organização criminosa e obstrução da Justiça na Câmara, Michel Temer exonerou nesta quarta-feira, 18, os ministros Raul Jungmann (Defesa) e Fernando Coelho Filho (Minas e Energia) para que assumam temporariamente os mandatos na Câmara e votem a favor de Temer.

Com a volta de Coelho para a Câmara, a deputada Creuza Pereira (PE), que era suplente, teve de deixar o mandato e, assim, sua assinatura não valeu.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL