Acidente em laboratório nuclear na Coreia do Norte deixa 200 mortos

Patrice Gainsbourg
Outubro 31, 2017

Segundo os especialistas, o acidente foi causado pelo sexto teste nuclear de Kim Jong-un, no dia 3 de março, que enfraqueceu a montanha.

Segundo os relatórios, 100 pessoas ficaram presas no túnel durante o primeiro colapso, e, depois de uma operação de resgate falhada, mais 100 pessoas ficaram encurraladas, informou a estação de televisão japonesa Asahi, esta terça-feira.

Acredita-se que o local de teste de Punggye-ri, situado em terreno montanhoso na área norte-leste do país, seja a principal instalação nuclear de Pyongyang e o único local de teste nuclear ativo no mundo.

O acidente poderá ser explicado pela instabilidade causada pela explosão, que poderá ter estado na origem do duplo colapso.

Polícia matou 4224 pessoas e teve 437 agentes mortos em 2016
Os recursos destinados ao Fundo Nacional de Segurança Pública caíram 30,8% e os do Fundo Nacional Antidrogas, 64,8%. Dessas mortes por intervenção policial na Paraíba, 16 foram da Polícia Militar e seis são da Polícia Civil em 2016.

Segundo uma estimativa do Governo sul-coreano, o teste nuclear de 3 de setembro teve teve uma potência de 50 mil toneladas, o que significa que o teste foi cinco vezes mais potente que o quinto ensaio nuclear realizado pela Coreia do Norte, em setembro de 2016, e mais de três vezes superior ao da bomba que destruiu Hiroshima em 1945.

Dias depois, a Coreia do Norte celebrou com fogo de artifício o seu sexto e mais potente teste nuclear, que classificou como um "evento nacional auspicioso" e um "marco sem precedentes".

A Coreia do Norte garantiu ter detonado nesse dia uma bomba H (de hidrogénio, mais potente que as armas convencionais) que pode ser instalada num míssil intercontinental.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL