Líderes da base vão fazer 'reanalisar' possibilidade de votar reforma da Previdência

Oceane Deschanel
Novembro 7, 2017

Na abertura de reunião com líderes da Câmara, ele disse que continuará a defender a aprovação da iniciativa, mesmo que a população, a imprensa e o Congresso Nacional sejam contrários. "Muitos pretendem derrotá-la, porque, derrotando-a, derrotam o governo, mas não é verdade: derrotam o Brasil", afirmou o presidente. "Derrotam o Brasil", disse.

"Tem desgaste e cabe ao governo reorganizar a sua base e repactuar a sua base para que a gente possa voltar a ter número suficiente para votar a Previdência", disse Maia, em entrevista a jornalistas na saída da reunião de líderes da Câmara. É um governo que deu certo até hoje, que não falhou em um momento sequer.

Segundo Temer, o importante é que seja feito algum avanço na área, ainda que o texto aprovado não seja o conjunto de medidas proposto inicialmente pela equipe econômica. Continuarei empenhado nela, trabalharei muito por ela.

Veja análise da imprensa sobre derrota do Botafogo contra o Fluminense
Henrique Dourado deixou Marcos Junior na cara do gol , e o atacante não desperdiçou a chance de igualar o placar. Na próxima quarta, às 21h (de Brasília), o Botafogo vai até a Ilha do Retiro, no Recife, para encarar o Sport.

Na sequência, o governo, já convencido do discurso de parlamentares que querem se reeleger e temem desagradar o eleitorado diante da impopularidade da reforma, admitiu a impossibilidade de propor as mudanças na Previdência. Eu continuarei a trabalhar por ela, porque sei da importância da reforma da Previdência. Para ele, o Executivo tem de conversar com os parlamentares da sua base a fim de discutir e votar a reforma. Quero aqui mencionar as duas denúncias que foram desautorizadas pela Câmara dos Deputados, mas hoje, como está robustamente, enfaticamente, fortemente, relevantemente demonstrado, era uma articulação que tinha este objetivo, mudar o governo para um objetivo mesquinho, minúsculo, menor, que era impedir que o presidente pudesse nomear o sucessor daquele que ocupava a Procuradoria-Geral da República, acusou Temer.

Segundo ele, o objetivo da "trama para derrubar o presidente" era impedir que ele indicasse a atual procuradora-geral, Raquel Dodge, para o posto de substituta dele.

O presidente também ressaltou que, mesmo após as duas denúncias, o seu governo não ficará paralisado e que ele dará prosseguimento às reformas previdenciária e tributária. "Esse não pode ser só um projeto do Poder Legislativo, o governo precisa ajudar a organizar essa votação", afirmou.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL