Temer escolhe Fernando Segóvia para direção-geral da PF

Judith Bessette
Novembro 8, 2017

O presidente Michel Temer resolveu nomear o delegado Fernando Segóvia para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

Mas desde setembro o ex-presidente se queixa a Temer de Leandro Daiello, que será substituído por Segóvia.

Em junho, ao ser questionado sobre a saída de Daiello, Torquato Jardim chegou a a afirmar, ao lado do então diretor-geral da PF, que a especulação era uma "pós-verdade". Ele foi também adido da PF na África do Sul e superintendente regional no Maranhão. Conforme destacado pelo ministério, o delegado, com 22 anos na carreira, exerceu parcela de sua carreira em diferentes funções de inteligência nas fronteiras do Brasil. Michel Temer, que aprovou o nome, deve oficializar a nomeação ainda nesta tarde, junto com o ministro da Justiça, Torquato Jardim.

De acordo com a Folha de S. Paulo, o ministro da Justiça tentou desvincular sua imagem a uma possível indicação de Segóvia, nome rejeitado por Daiello e ligado por políticos ao ex-presidente José Sarney (PMDB-AP).

Trump diz que "tudo será consertado" com a Coreia do Norte
Tem de se resolver", disse Trump em Camp Humphreys, onde se deslocou para almoçar com as tropas norte-americanas. O périplo termina nas Filipinas.

O candidato apoiado por Daiello era é diretor-executivo da corporação Rogério Galloro.

Segóvia é visto como um nome palatável ao universo político e teria buscado apoio no governo e no Congresso.

A escolha, porém, não unifica o órgão.

A corporação está subordinada ao Ministério da Justiça. A ADPF (Associação Nacional de Delegados da Polícia Federal) não reconhece a legitimidade da listra tríplice que levou ao nome de Segóvia.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL