Em visita à Catalunha, premiê da Espanha pede a empresas que fiquem

Rebecca Barbier
Novembro 12, 2017

Reagindo a notícias que davam conta de que 23% dos espanhóis não-catalães já deixaram de comprar produtos da Catalunha (e que esse número subiria para 49%, caso a região se tornasse independente), Mariano Rajoy fez um apelo nacional: "Quero pedir a todos os espanhóis que compram e consomem produtos catalães que nunca deixem de fazê-lo". "Restabelecemos a ordem legal e democrática, foi isto que ocorreu, e não outra coisa", sentenciou o chefe de governo espanhol, rejeitando implicitamente as acusações de autoritarismo lançadas pelo separatismo.

Durante a breve visita, Rajoy esteve acompanhado da ministra da Defesa, María Dolores de Cospedal.

O Partido Popular da Catalunha (PPC) surge nas sondagens para as eleições de 21 de dezembro com uma projeção de 8,7% dos votos e um total de 10 a 12 deputados.

A visita acontece duas semanas após o fracasso da proclamação de independência, em 27 de outubro.

Rajoy convocou as eleições despois de ter destituído o governo separatista de Carles Puigdemont e de ter dissolvido o Parlamento. Contra ele há uma ordem de prisão emitida pela Justiça espanhola.

Temer afirma que reforma ministérial será 'inevitável'
Perguntado se seria feita a reforma bem antes do que pretendia, o presidente disse: "não, não, acho que não". O encontro acontece na residência oficial do presidente da Casa, no Lago Sul, área nobre de Brasília .

Segundo uma pesquisa divulgada pelo jornal "El País", a impressão de que a independência da Catalunha é possível caiu entre seus habitantes, que desaprovam majoritariamente (69%) a gestão da crise por Rajoy, embora a maioria (69%) concorde com a convocação das eleições de 21 de dezembro.

Esta visita coincidiu também com a manifestação que ontem teve lugar em Barcelona, que tinha como reivindicação a libertação dos líderes separatistas.

O ex-líder destituído da Catalunha Carles Puigdemont continua em Bruxelas, onde houve neste domingo (12) manifestações em favor dos independentistas da Catalunha, e não manifestou intenção de retornar à Espanha. "Foi uma decisão difícil, mas a tomamos da melhor maneira possível: com radicalismo democrático", publicou Ada no Twitter.

Rajoy está na Catalunha para a apresentação da candidatura a presidente do Governo Regional de Xavier García Albiol, do Partido Popular da Catalunha, tendo defendido que os independentistas não conseguirão "silenciar" o Partido Popular da Catalunha.

Em meio a bandeiras separatistas da Catalunha, eram vistas bandeiras de Flandres - uma amostra do apoio do separatismo flamengo à causa catalã -, Valônia, País de Gales e País Basco.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL