Polícia Federal abre operação para prender filho de Jorge Picciani

Patrice Gainsbourg
Novembro 14, 2017

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (14) a Operação Cadeia Velha, que tem como objetivo cumprir mandados de prisão, busca apreensão e condução coercitiva contra deputados estaduais e empresários do setor de transportes do Rio de Janeiro.

A Operação Cadeia Velha apura o uso da presidência e outros postos da Alerj para a prática de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani (PMDB), foi intimado a depor.

Jorge Picciani, Melo e Albertassi só não serão presos neste momento porque a Constituição estadual, no Artigo 120, estabelece como única possibilidade de prisão provisória o flagrante de crime inafiançável, à exceção de casos com licença prévia da Alerj. "No mesmo instante em que operação ocorre, os procuradores regionais da República responsáveis vão pedir ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), fórum competente para o caso, que considere flagrantes os crimes atribuídos a Picciani, Melo e Albertassi".

Voos são cancelados em Congonhas por causa de drones, informa Infraero
A regulamentação do uso de drones foi aprovada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em maio deste ano. Entre 7h e 7h40, a Infraero confirmou três voos atrasados, dois para Goiânia (GO) e um para Joinville (SC).

De acordo com as investigações, o esquema criminoso mantido por servidores, políticos e órgãos fiscalizadores, entre outros agentes, teria movimentado cerca de R$ 260 milhões.

A suspeita veio a partir do cruzamento de informações recebidas por delação premiada e acordos de leniência (delação feita por empresas) há seis meses com fatos colhidos durante desdobramentos da Lava Jato, como a operação Ponto Final, que apurou desvios de dinheiro envolvendo os sistemas de transporte e resultou na prisão de Barata Filho.

Segundo a PF, a operação de hoje é um desdobramento da Ponto Final, que mira fraudes no setor de transporte do estado do Rio de Janeiro.

Em julho, Jacob Barata, Lélis Teixeira e mais de 11 pessoas envolvidas no esquema de corrupção, foram presas pela PF. Logo depois, foram soltos por determinação judicial.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL