Jornal norte-coreano condena Donald Trump à morte

Patrice Gainsbourg
Novembro 16, 2017

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou a Coreia do Norte ontem que está preparado para usar todo o poder militar de seu país para deter qualquer ataque, mas fez seu apelo mais conciliador até então, pedindo que Pyongyang "faça um acordo" para encerrar o impasse nuclear.

"Ele deveria saber que é somente um criminoso monstruoso sentenciado à morte pela população coreana", frisou.

O texto, que classifica o presidente americano como "depravado" e "velho escravo do dinheiro", assegura que este "foi ridículo ao manipular a realidade" e "soltar todo tipo de maldições contra nós", durante seu discurso de 22 minutos na Assembleia Nacional de Seul no último dia 8 de novembro.

Na ocasião, Trump afirmou que o governo da Coreia do Norte viola direitos humanos e que o país, dirigido pela dinastia de Kim Jong-un, se transformou em um "inferno" na terra. Ele chegou, inclusive, a chamar Kim Jong-un de "gordo e baixinho", sem que os meios de comunicação oficiais do país tenham respondido até agora a essas declarações.

Golpe militar no Zimbabué: Mugabe detido pelo exército
O Zimbabwe vive pela primeira vez uma divergência aberta entre o presidente, que dirige o país desde 1980, e o exército.

A Casa Branca informou que a viagem presidencial pretende demonstrar a determinação dos EUA com uma abordagem rígida diante das ameaças nucleares e de mísseis do regime norte-coreano - mas muitos na região expressaram o temor de que sua retórica beligerante com Pyongyang possa aumentar o potencial de um conflito militar devastador na Península Coreana. Oh well, I try so hard to be his friend - and maybe someday that will happen!

"O presidente Xi reconhece que a Coreia do Norte é uma grande ameaça para a China", contou o líder dos EUA.

Em direção ao final de seu tour pela Ásia, Trump enviou um tuíte de Hanói, no Vietnã, que levou a disputa verbal a um novo nível, zombando o líder norte-coreano em relação a sua altura e peso.

Em sua viagem pela Ásia, Trump atacou frequentemente a Coreia do Norte.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL