Presidente iraniano declara o fim do Estado islâmico

Patrice Gainsbourg
Novembro 21, 2017

O presidente do Irão, Hassan Rouhani, fez esta terça-feira uma declaração ao país, onde declarou o fim do autoproclamado Estado Islâmico.

"Os terroristas venderam raparigas, queimaram pessoas vivas e cortaram gargantas de jovens".

Rohani agradeceu, em discurso pela TV, todas as forças militares e políticas envolvidas por "seus esforços para terminar com um grupo que só trouxe o mal, miséria, destruição e mortes".

"A maior parte do trabalho foi realizada pelo povo e pelos exércitos da Síria, do Iraque e do Líbano".

Presidente iraniano declara o fim do Estado islâmico

"O Estado Islâmico foi alimentado e armado pelas principais potências mundiais e alguns países reacionários da região", referiu ainda.

O Irã apoiou o regime sírio de Bashar al-Assad durante estes anos de conflito com assessores militares, principalmente dos Guardiães da Revolução, e combatentes voluntários xiitas. "Claro que os restos permanecerão, mas a fundação e as raízes foram destruídas", disse Rouhani no depoimento. O Presidente iraniano acrescentou que a "erradicação" do grupo terrorista foi possível devido a uma luta conjunta que contou com a participação do Irão.

Do mesmo modo, o ayatollah Ali Khameni, líder supremo do Irão e comandante da Força Quds, que combate na Síria, expressou felicitações "pela grande vitória" contra o Estado Islâmico. Nas últimas semanas, a comunicação social iraniana publicou várias fotografias e vídeos de Qasem Soleimani durante visitas surpresa às frentes de combate no Iraque e na Síria. Antes, na sexta-feira, o exército iraquiano tinha derrotado o Estado Islâmico em Rawa, o último bastião do grupo terrorista no país. Mais de mil membros, incluindo comandantes seniores, foram mortos na Síria e no Iraque. O Presidente iraniano deverá encontrar-se na próxima quinta-feira com Vladimir Putin e Tayyip Erdogan para discutir a nova fase do conflito na Síria.

Sede da Agência Europeia do Medicamento vai para Amesterdão
Rui Moreira admite que foi uma batalha difícil, mas destaca também a capacidade de união demonstrada por diferentes instituições na defesa da candidatura do Porto.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL