Anthony Garotinho e Rosinha são presos no estado do Rio

Patrice Gainsbourg
Novembro 22, 2017

Ainda segundo o depoimento de Saud, o repasse fazia parte de um total de R$ 20 milhões que a JBS teria reservado para comprar o apoio do PP e do PT e seriam a contrapartida pelo fato da empresa ter conseguido financiamentos do BNDES. Um dos alvos da operação é um ex-secretário de Rosinha, cujo nome não foi revelado.

Participam da operação aproximadamente 50 policiais federais nos municípios do Rio de Janeiro/RJ, Campos dos Goytacazes/RJ e São Paulo/SP. O ex-ministro dos Transportes Antônio Carlos Rodrigues, presidente nacional do Partido da República (PR), é alvo de mandado de prisão.

Trata-se de ação que apura os crimes de corrupção, concussão, participação em organização criminosa e falsidade na prestação das contas eleitorais. Durante o encontro, Picciani teria feito uma ameaça de agressão a Garotinho. Como o valor era alto, Rodrigues sacou os recursos em mais de um dia, cerca de R$ 500 mil por vez - em uma das idas ao banco, disse que foi seguido por Toninho.

O empresário também contou na delação que colaborou, via caixa dois, com as campanhas de Garotinho a deputado federal, em 2010; de Rosinha à reeleição na prefeitura de Campos, em 2012; e com candidatos a vereadores aliados em 2016. Um ex-secretário municipal também foi preso.

Ataque com bombista suicida faz 50 mortos em mesquita na Nigéria
Um ataque de um homem-bomba deixou 50 mortos numa mesquita no Nordeste da Nigéria, nesta terça-feira. Também são frequentes as emboscadas a comboios militares.

"Garotinho afirma ainda que nem ele e nem nenhum dos acusados cometeu crime algum", diz trecho da nota.

Ele afirmou ainda que a sua prisão de hoje, relacionada à operação, seria "mais um capítulo da perseguição que vem sofrendo desde que denunciou o esquema do governo [de Sérgio] Cabral [PMDB] na Assembleia Legislativa e as irregularidades praticadas pelo desembargador Luiz Zveiter", de acordo com o comunicado, citando o desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, e presidente do tribunal durante os anos de 2009 e de 2010.

Em nota enviada à imprensa, a defesa do casal disse que só irá se pronunciar quando "tiver acesso aos documentos que embasaram os mandados de prisão, o que ainda não aconteceu".

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL