Google admite que rastreia usuários sem autorização

Eloi Lecerf
Novembro 23, 2017

Uma recente investigação revelou que a Google colecta os dados de localização dos telefones Android mesmo quando os serviços de localização estão desligados.

O usuário fica ciente de que a empresa, bem como desenvolvedores de aplicativos, podem saber sua localização quando estiver usando apps que dependem da geolocalização para funcionar, como é o caso do Google Maps ou de aplicativos de transporte urbano.

A prática teve início em janeiro de 2017.

Esse serviço, o Firebase Cloud Messaging, é padrão no Android e impossível de ser desinstalado ou desativado, é responsável por gerenciar as notificações e mensagens do aparelho. "É estranho que isso não seja opcional", disse Matthew Hickey, especializa em segurança da Hacker House, uma empresa de segurança de Londres.

Merkel rejeita formar governo de minoria
Os liberais, depois de diversas tentativas de acordo, anunciaram que não foi possível chegar ao consenso. Em caso de novas eleições, Merkel disse que se candidataria novamente ao cargo de chanceler.

A reportagem da Quartz descobriu que mesmo quando o celular era restaurado às configurações de fábrica, ou seja, sem qualquer aplicativo, e com os serviços de localização desativados, os dados continuavam sendo compartilhados.

A Google não tardou a reagir ao relatório divulgado pelo Quartz e garante que até ao final deste mês de Novembro lançará uma actualização no seu sistema operativo que já não utilizará a técnica da triangulação para determinar a localização dos utilizadores. No entanto, nunca incorporamos o ID de celular no nosso sistema de sincronização de rede, então os dados foram descartados automaticamente.

Apesar da declaração, o Google afirmou que, após o contato da Quartz, cessou a coleta desses dados.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL