Ataque a bomba em mesquita no Egito causa 235 mortes

Patrice Gainsbourg
Novembro 24, 2017

A mesquita que foi alvo do atentado desta sexta-feira fica em uma localidade onde a maioria da população pertence à etnia Al-Sawarka, que anunciou a participação na luta contra o Estado Islâmico em maio do ano passado.

Segundo informações da Agência Brasil, os agressores colocaram artefatos explosivos ao redor da mesquita de Al Rauda, e os detonaram na saída dos fiéis da oração da sexta-feira - dia sagrado para os muçulmanos. Segundo as testemunhas oculares, os terroristas lançaram bombas contra as pessoas que estavam dentro da mesquita e a seguir começaram a disparar armas de fogo.

As autoridades egípcias combatem nesta região várias organizações jihadistas, incluindo o ramo egípcio do grupo Daesh.

O Presidente egípcio al-Sisi reuniu o gabinete para uma reunião de emergência.

Temer viaja para São Paulo para fazer avaliações médicas
O problema foi detectado por exames de imagem no início de outubro, mas, na ocasião, não foi necessário realizar o cateterismo . Dessa vez, passará por um cateterismo em razão de quadro de obstrução parcial de uma artéria coronariana.

"Eles atiravam contra as pessoas que deixavam a mesquita", disse um morador cujos parentes estavam no local. O braço egípcio do Estado Islâmico regularmente realiza ações no Sinai e está ativo em al-Arish. Os números foram revelados pelo Ministério da Saúde do Egito. O ataque, que ainda não foi reivindicado, é já considerado o mais mortífero dos últimos três anos na região.

"Este brutal ataque mostra mais uma vez a violência e a crueldade que governa a ação dos grupos terroristas e reforça o empenho de Portugal e de toda a comunidade internacional em erradicar toda e qualquer forma de terrorismo", salientou-se.

O ataque acontece um dia após o Egito decidir abrir uma passagem na fronteira com a Faixa de Gaza para um período de testes de três dias.

O presidente Dolnald Trump escreveu: "o mundo não pode tolerar o terrorismo, devemos derrotá-los militarmente e desacreditar a ideologia extremista que forma as bases de sua existência".

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL