Foragido há uma semana, presidente do PR se entrega à Polícia Federal

Judith Bessette
Dezembro 1, 2017

A Justiça Eleitoral de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, pediu nesta terça-feira (28) à Polícia Federal (PF) explicações sobre o não cumprimento de mandado de prisão expedido, na semana passada, contra o presidente do PR e ex-ministro dos Transportes Antônio Carlos Rodrigues, alvo na Operação Chequinho. A informação é do Estadão.

Finalmente: WhatsApp atualiza botão para facilitar gravação de áudio
O recurso permite bloquear o gravador com um gesto e continuar a captar voz sem necessidade pressionar em permanência o ícone do microfone.

Todos eles são acusados dos crimes de corrupção, concussão, participação em organização criminosa e falsidade na prestação das contas eleitorais. Ele entregou-se à Superintendência da PF acompanhado de um de seus advogados, Marcelo Bessa, que também representa o PR. Também foram presos na mesma operação os ex-governadores do Rio Anthony e Rosinha Garotinho. A suspeita é que uma grande empresa do ramo de processamento de carnes firmou contrato fraudulento com outra empresa, sediada no município de Macaé (RJ). As apurações apontaram ainda que os serviços não eram efetivamente prestados e que o contrato, de aproximadamente R$ 3 milhões, serviria apenas para o repasse irregular de dinheiro para campanhas eleitorais. A ex-governadora deixou a cadeia na manhã desta quinta-feira (30/11) com uma tornozeleira eletrônica e não pode sair de casa. Hoje Garotinho foi ouvido sobre a denúncia de que teria sido agredido na cadeia pública de Benfica, mas ainda não fez o retrato falado do suposto agressor.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL