O "deslize" de Dijsselbloem

Oceane Deschanel
Dezembro 4, 2017

Centeno referiu que este "é um dia importante para o Eurogrupo" porque vão "eleger um novo presidente que terá uma responsabilidade significativa, dado o facto de estarmos a iniciar um novo ciclo político em muitos países da Europa".

"Sou presidente até dia 12 de janeiro e Mário Centeno [assumirá o cargo] a 13", disse Dijsselbloem aos jornalistas, à entrada para a reunião do Eurogrupo em que será eleito o próximo presidente do fórum dos ministros das Finanças da zona euro. O voto será secreto e o candidato que primeiro receber 10 votos ganha o escrutínio.

O único candidato liberal, Pierre Gramegna do Luxemburgo, estaria bem posicionado para vencer a corrida, no sentido em que são os liberais que mais se têm empenhado em exercer o poder nos cargos cimeiros da União Europeia.

"Apresentámo-nos sempre numa posição de construção e de credibilização do País".

Ligue 1 : Strasbourg fait tomber le PSG
Pour autant, personne ne veut s'enflammer et le maintien reste l'objectif de la saison afin d'ancrer le club dans l'élite. Le football démontre que c'est difficile de gagner, gagner et encore gagner avec cette exigence dans tous les matchs.

Nos meandros das negociações políticas que parecem acompanhar a corrida à presidência do Eurogrupo, o ministro das Finanças socialista da Eslováquia, Peter Kažimír, decidiu também avançar, de modo um tanto inesperado, ameaçando retirar o apoio de Centeno. São colegas com os quais mantivemos uma relação muito fraca, muito aberta.

O ainda presidente do Eurogrupo, Jeoron Dijsselbloem, teve um deslize em que admitiu que o substituto no cargo será o ministro das Finanças, Mário Centeno.

O líder do SPD, Martin Schulz, bem como o Presidente francês Emmanuel Macron, partilham o desejo de reforma da zona euro e veem em Centeno uma pessoa capaz de levar avante essa missão.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL