Espanha anula mandado de detenção europeu sobre Puigdemont

Vincent De Villiers
Dezembro 5, 2017

O Supremo Tribunal espanhol decidiu retirar os mandados de detenção europeus do antigo presidente do governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, e de quatro dos seus antigos conselheiros.

O juiz Pablo Llarena considerou que as ordens europeias emitidas contra eles pela Audiência Nacional devem ser retiradas porque todo o caso está agora sendo tramitado por ele e requer uma atuação única para evitar situações contraditórias ou divergentes.

O juiz emitirá sua decisão em 14 de dezembro, indicou Christophe Marchand, advogado de defesa de dois dos ex-conselheiros, em uma coletiva de imprensa junto com outros advogados de defesa nas escadas do Palácio de Justiça em Bruxelas. [Os independentistas] "parecem ter demonstrado a sua intenção de voltar a Espanha para tomar posse e exercer alguns cargos eleitorais", disse. De outro, Llarena lembra que as ações investigadas são um delito de natureza plurisubjetiva.

O magistrado explica que mantendo o pedido de extradição, as autoridades belgas poderiam fazer a entrega dos arguidos com limitações, nomeadamente para serem julgados apenas por desobediência e fraude e não por rebelião, como estão indiciados.

Ao vivo, ator Lucas Veloso pede bailarina do Faustão em namoro
Depois de se recompor da surpresa, o casal apresentou uma coreografia de tango e se classificou para a etapa final da competição. Gente, para que eu pare de roubar e passe a ter diretos, Faustão, eu queria pedir Nathália Melo em namoro", disse o ator.

A decisão do Supremo Tribunal espanhol deve-se ao facto de Espanha querer chamar a si o poder exclusivo de decisão acerca dos crimes de que Puigdemont e os antigos ministros são acusados.

Carles Puigdemont e os restantes quatro elementos do seu gabinete (Antonio Comín, Lluís Puig, Meritxell Serret e Clara Ponsatí) viajaram para a Bélgica depois da declaração de independência da Catalunha, a 27 de Outubro, considerada ilegal pelo Governo central espanhol.

"Não recebemos nenhuma notificação oficial".

No mesmo dia, o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, dissolveu o parlamento da Catalunha, marcou as eleições regionais de 21 de Dezembro e destituiu o executivo regional presidido por Carles Puigdemont.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL