Raquel Dodge pede 'recolhimento noturno' de Lucio Vieira Lima

Patrice Gainsbourg
Dezembro 5, 2017

O ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima, o irmão dele, deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), e a mãe, Marluce Vieira Lima, foram denunciados na última segunda-feira por lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Dodge quer que Lúcio Vieira Lima seja obrigado a ficar em casa durante a noite, quando não estiver exercendo suas funções na Câmara dos Deputados, e que também seja proibido de deixar sua residência durante os dias de folga.

"Diz aquela denúncia que, só pela ingerência de Geddel na Caixa, foram desviados e apropriados R$ 170 milhões em propina, por ele e outros acusados".

Na denúncia, antecipada ontem por O Antagonista, a PGR também acusa Lúcio Vieira Lima de peculato - ele será investigado por este crime em outro inquérito. O caso se refere ao bunker descoberto pela Polícia Federal durante a Operação Tesouro Perdido, que localizou em um apartamento em Salvador mais de R$ 51 milhões em espécie.

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, é quem vai decidir se o ex-ministro de Temer se torna réu ou não.

A imposição de medidas cautelares contra parlamentares foi alvo de julgamento no plenário do STF em outubro.

Petrobras reajusta preço do gás de cozinha em 8,9%
A Petrobras anunciou nesta segunda-feira um novo aumento de preços do chamado gás de cozinha , o GLP residencial, nas refinarias. O Sindicato das Empresas Distribuidoras de GLP, Sindgás, informou que o preço praticado está hoje 1,3% abaixo destas cotações.

O tema chegou ao plenário do STF após a Primeira Turma da Corte ter imposto o recolhimento noturno contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), mesma medida agora solicitada por Dodge contra Lúcio Vieira Lima.

A Procuradoria-Geral também denunciou a mãe de Geddel, Marluce Quadros Vieira Lima, além de Job Ribeiro Brandão, homem de confiança da família, e Gustavo Pedreira Couto Ferraz, ex-diretor da Defesa Civil de Salvador, e que foi apontado como operador do ex-ministro Geddel.

A procuradora-geral pede que seja exigido de Lúcio a título de fiança o depósito de R$ 374, 8 mil (400 salários mínimos).

A PF também encontrou pistas que ligaram o dinheiro a Lucio.

Segundo a PF, parte do dinheiro seria resultante de um esquema de fraude na liberação de créditos da Caixa Econômica Federal no período entre 2011 e 2013, quando Geddel era vice-presidente de Pessoa Jurídica da instituição. Os R$ 51 milhões apreendidos não ficariam parados, mas seriam aplicados em imóveis de alto padrão, de acordo com a denúncia.

Segundo ele, Milene Pena e Roberto Suzarte, que estão lotados no gabinete do deputado em Brasília, trabalham para os Vieira Lima em Salvador.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL