Cristiano Ronaldo no Paris Saint-Germain? Para Al-khelaifi sim

Vincent De Villiers
Janeiro 5, 2018

Segundo a publicação, o PSG pode pagar 300 milhões de euros, cerca de R$ 1 bilhão para ter Cristiano Ronaldo no elenco.

Ainda de acordo com o tradicional diário ibérico, o PSG usa como trunfo a indefinição do Real com relação à renovação de contrato do melhor jogador do mundo. O jogo da volta, em Paris, ocorrerá no dia 6 de março. Uma outra alternativa para o Paris Saint-Germain seria vender Gonçalo Guedes.

Jornal "El Confidencial" escreve que o PSG está mesmo empenhado em juntar o português a Neymar e Mbappé. Assim, ele abriria portas para trazer o experiente conterrâneo CR7 sem quebrar as regras do fair play financeiro.

Fujimori permanece estável após 10 dias em hospital no Peru
Na votação no Congresso, no dia 21 de dezembro, Kenji Fujimori e outros nove legisladores fujimoristas se abstiveram. Um dia depois de ser hospitalizado, o presidente Pedro Pablo Kuczynski lhe concedeu um polêmico indulto humanitário.

A frase que faz o título deste texto foi das mais proferidas no dia de ontem em Espanha, por conta da revelação feita pelo jornalista Edu Aguirre, no programa 'El Chiringuito', no qual afirmou que Cristiano Ronaldo tem neste momento pelo menos "três propostas, uma delas muito vantajosa" e que a saída do futebolista madeirense será uma certeza se o Real Madrid não avançar já com a revisão contratual.

Cristiano Ronaldo volta a ser notícia, e das grandes, no que toca ao mercado. Isso aconteceu durante a cerimônia de premiação da Bola de Ouro, onde Ronaldo conquistou o prêmio pela quinta vez.

Recorde-se que o internacional português de 32 anos está no Real Madrid desde 2009 e tem um contrato válido até Junho de 2021, mas tal não invalida que não saia no final da temporada, pois interessados não faltam, o principal dos quais o Paris-Saint Germain. Ronaldo tem cláusula de rescisão, mas de 1000 milhões de euros, bem diferente dos 222 milhões de Neymar quando estava no Barcelona.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL