PF prende ex-primeira-dama do Amazonas

Oceane Deschanel
Janeiro 5, 2018

A Justiça Federal determinou as prisões após acatar pedido do Ministério Público para reverter decisão do juiz de plantão Ricardo Salles, que, no dia 26 de dezembro, libertou o ex-governador e os ex-secretários.

Procurada, a defesa de José Melo e Edilene Gomes disse que as informações repassadas à juiza não condizem com a total realidade. Em agosto, houve novas eleições no Amazonas, com a vitória de Amazonino Mendes (PDT).

O ex-governador José Melo e a ex-primeira-dama Edilene Oliveira devem ser transferidos ainda nesta quinta-feira (4) para o sistema prisional, deixando a carceragem da Superintendência da Polícia Federal, onde estão detidos. "O ex-governador José Melo é alvo principal das quadrilhas, porque foi o que maior número apreensão de drogas e combateu o crime organizado (.) Ele alega e reitera inocência e por conta disso está abalado", completou.

A Polícia Federal também diz que há movimentações financeiras atípicas nas empresas pertencentes à Edilene Olveira. Com a decisão, ele permanecerá detido por tempo indeterminado.

No pedido de conversão de prisão, o MPF aponta o risco de destruição de provas, além de ameaça e intimidação a testemunhas especialmente por Edilene Oliveira.

Mourinho nega que planeja deixar United ao fim da temporada
A imprensa inglesa vem noticiando o futuro de treinador, que classificou as notícias de uma possível saída como 'lixo'. Muito pelo contrário. Às vezes, o português continua sereno mesmo quando sua equipe toma um gol.

Edilene e o marido, alvos da Operação Maus Caminhos, são acusados de desvios de verba da saúde. A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) confirmou que eles foram liberados.

As investigações que deram origem à operação demonstraram que, dos quase R$ 900 milhões repassados, entre 2014 e 2015, pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS) ao Fundo Estadual de Saúde (FES), mais de R$ 250 milhões teriam sido destinados ao INC.

Além de Moustafá e Zaidan, a decisão também envolve Keytiane Evangelista e José Duarte Filho.

Além do ex-governador, preso no último domingo (31), três secretários de sua gestão também passaram a virada do ano atrás das grades: Afonso Lobo (Fazenda), Wilson Alecrim (Saúde) e Evandro Melo (Administração). No documento, o juiz plantonista Wendelson Pereira Pessoa pontua que não foram verificados "fatos novos aptos à decretação de prisão preventiva dos investigados". Melo teria recebido dinheiro em espécie do médico Mouhamad Moustafa.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL