Produção industrial cresce 0,2% em novembro, segundo o IBGE

Judith Bessette
Janeiro 7, 2018

A produção avançou 0,2 por cento em novembro na comparação com o mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, contra expectativa em pesquisa da Reuters de recuo de 0,1 por cento.

Com o resultado, o índice passou a acumular alta de 3,73% no ano.

A indústria brasileira também teve crescimento na comparação com novembro de 2016 (4,7%), no acumulado do ano (2,3%) e no acumulado de 12 meses (2,2%).

No caso dos bens de consumo duráveis, houve um avanço significativo de 2,5% na produção em novembro ante outubro, estimulado por uma demanda interna maior diante do aumento da renda das famílias. O setor produtor de bens de consumo semi e não-duráveis (-1,6%) apontou o único resultado negativo nesse mês, após avançar 1,0% em outubro.

Perfumaria, sabões produtos de limpeza e higiene pessoal: 1,9%.

Roberto Jefferson emplaca a filha como ministra do Trabalho
Após Ronaldo Nogueira pedir demissão do cargo, na semana passada, o PTB indicou o deputado Pedro Fernandes (MA) para a vaga. A medida impediria, por exemplo, nova candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Palácio do Planalto.

Outro destaque positivo foram os bens intermediários.

Doze dos 24 setores pesquisados pelo IBGE apresentaram crescimento na produção na passagem de outubro para novembro. Quando comparado a novembro de 2016, o avanço é de 8,1%. Entre as atividades, veículos automotores, reboques e carrocerias (16,6%) e indústrias extrativas (5,3%) exerceram as maiores influências positivas na formação da média da indústria.

Entre as grandes categorias econômicas, o perfil dos resultados para os onze meses de 2017 mostrou maior dinamismo para bens de consumo duráveis (12,7%) e bens de capital (5,8%), impulsionadas, em grande parte, pela ampliação na fabricação de automóveis (19,7%) e eletrodomésticos (10,8%), na primeira; e de bens de capital para equipamentos de transporte (7,0%), para uso misto (17,8%) e para construção (39,2%), na segunda.

Dos bens intermediários, os destaques têm ligação com bens finais, sobretudo do setor automobilístico, como metalurgia, borracha e plástico (peças e acessórios de plástico, pneus).

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL