Produção industrial cresce 0,2% em novembro, segundo o IBGE

Judith Bessette
Janeiro 7, 2018

A produção avançou 0,2 por cento em novembro na comparação com o mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, contra expectativa em pesquisa da Reuters de recuo de 0,1 por cento.

Com o resultado, o índice passou a acumular alta de 3,73% no ano.

A indústria brasileira também teve crescimento na comparação com novembro de 2016 (4,7%), no acumulado do ano (2,3%) e no acumulado de 12 meses (2,2%).

No caso dos bens de consumo duráveis, houve um avanço significativo de 2,5% na produção em novembro ante outubro, estimulado por uma demanda interna maior diante do aumento da renda das famílias. O setor produtor de bens de consumo semi e não-duráveis (-1,6%) apontou o único resultado negativo nesse mês, após avançar 1,0% em outubro.

Perfumaria, sabões produtos de limpeza e higiene pessoal: 1,9%.

Boca Juniors confirma retorno do ídolo Carlitos Tévez
De acordo com levantamento do site argentino Olé , Tevez jogou apenas 16 partidas e fez somente quatro gols. Seu estilo argentino brigador em campo, aliado à técnica apurada, rapidamente conquistou o coração da Fiel.

Outro destaque positivo foram os bens intermediários.

Doze dos 24 setores pesquisados pelo IBGE apresentaram crescimento na produção na passagem de outubro para novembro. Quando comparado a novembro de 2016, o avanço é de 8,1%. Entre as atividades, veículos automotores, reboques e carrocerias (16,6%) e indústrias extrativas (5,3%) exerceram as maiores influências positivas na formação da média da indústria.

Entre as grandes categorias econômicas, o perfil dos resultados para os onze meses de 2017 mostrou maior dinamismo para bens de consumo duráveis (12,7%) e bens de capital (5,8%), impulsionadas, em grande parte, pela ampliação na fabricação de automóveis (19,7%) e eletrodomésticos (10,8%), na primeira; e de bens de capital para equipamentos de transporte (7,0%), para uso misto (17,8%) e para construção (39,2%), na segunda.

Dos bens intermediários, os destaques têm ligação com bens finais, sobretudo do setor automobilístico, como metalurgia, borracha e plástico (peças e acessórios de plástico, pneus).

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL