Pesquisa IBGE mostra recuperação do comércio em 2017

Judith Bessette
Janeiro 9, 2018

Também houve revisão, na série ajustada, do indicador referente ao mês de setembro, de +0,3% para +0,4%, informou o instituto. Na série sem ajuste sazonal, o comércio varejista cresceu 5,9% em novembro, comparado a outubro, a oitava taxa positiva seguida e a segunda maior registrada em 2017.

Com o resultado de novembro, o volume de vendas do comércio fechou o acumulado de janeiro a novembro em 1,9%, e o acumulado dos últimos 12 meses em 1,1%, mantendo, desta forma, a trajetória ascendente iniciada em outubro de 2016, quando o setor havia fechado em queda de 6,8%. Já o desempenho do varejo em doze meses alcançou 1,1% - a taxa acumulada está crescendo desde outubro de 2016, quando apontava queda de 6,8%.

Frente a novembro de 2016, os resultados das vendas no comércio varejista foram positivos em 23 das 27 Unidades da Federação, com destaques, em termos de magnitude, para Santa Catarina (15,7%), Rio Grande do Sul (14,8%) e Mato Grosso (14,2%).

Também tiveram desempenho positivo, livros, jornais e papelaria, artigos farmacêuticos, médicos, perfumaria e comésticos, hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo. Este último marcou o oitavo avanço consecutivo nessa comparação, período que acumulou ganho de 6,5%. "Isso mostra que a queda de outubro foi uma postergação de compras para novembro", explicou.

Por outro lado, tiveram quedas frente a outubro de 2017: combustíveis e lubrificantes (-1,8%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-5,8%), ambos compensando avanços de, respectivamente, 1,6% e 2,7% registrados no mês anterior.

Após prêmio no Golden Globes, James Franco é acusado de assédio sexual
James Franco venceu o Globo de Ouro de Melhor Ator de Comédia ou Musical pelo seu desempenho no filme 'Um Desastre de Artista'. Durante a madrugada desta segunda-feira, 8, duas atrizes usaram suas redes sociais para acusar o ator de assédio sexual .

O IBGE informou ainda que a receita nominal do varejo restrito cresceu 1,3% na passagem de outubro para novembro, pela série com ajuste sazonal. Na comparação anual, de novembro com igual período de 2016, a alta do varejo ampliado foi ainda mais expressiva, de 8,7%. "Não é à toa que esse novembro está em um ritmo mais forte", diz.

Quando comparado a novembro de 2016, o volume de vendas do varejo ampliado cresceu de 8,7%. No varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, as vendas estão 14,3% aquém do pico registrado em agosto de 2012. No acumulado em 12 meses, também sete das dez atividades acumulam crescimentos. Esse foi o melhor resultado na comparação mensal desde que o IBGE passou a divulgar os dados do varejo ampliado em 2003.

O varejo cresceu de forma disseminada pelo país em novembro, frente a outubro, com alta no volume de vendas de 24 das 27 unidades da federação. A gerente do IBGE afirma que o resultado mostra que, apesar das promoções estimularem as vendas em novembro, é preciso que haja uma conjuntura econômica adequada ao consumo.

Considerando-se o peso na pesquisa, o principal destaque foi o avanço de 4,7% na vendas do varejo do Estado de São Paulo. Por outro lado, entre os estados com variações negativas frente a outubro, destaca-se Tocantins (-1,8%).

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL