Rebaixamento da nota do Brasil gera mal-estar entre Maia e Meirelles

Patrice Gainsbourg
Janeiro 14, 2018

Hoje, ao jornal "O Globo", o presidente da Câmara tentou contemporizar: "Nosso desafio não é encontrar culpados". Sei que o presidente Temer está sempre empenhado, mas o que a gente não pode é reorganizar a votação e o ministro da Fazenda ficar procurando responsáveis por esse contratempo.

Segundo o G1, o presidente não gostou da declaração do ministro da Fazenda responsabilizando o Congresso pela não aprovação de medidas de ajuste -Rodrigo Maia foi a Temer se queixar. Fiquei muito magoado - disse Maia.

Considerado fundamental pelo Planalto para o equilíbrio das contas públicas, o texto da reforma está pronto para ir à votação desde maio do ano passado, quando o relatório elaborado pelo deputado Arthur Maia (PPS-BA) foi aprovado na comissão especial da Câmara. E o governo além disso tirou da base os deputados que votaram contra Temer, reduzindo o número de governistas. "A forma como Meirelles falou parece que ele está contra a reforma [da Previdência]".

"As pessoas estão cansadas de tudo isso (a confluência de crises) e vão querer a continuidade, a manutenção do nosso programa de governo, que está recuperando a economia e a tranquilidade".

Jair Bolsonaro diz que usou auxílio-moradia para "comer gente"
Foi um desabafo, e desabafo hoje de novo também. "O povo, como um todo, só não sonega o que não pode, e é uma verdade isso daí". Segurança particular, quem quer ter saúde, tem que colocar o filho em escola particular...educação.

Para Temer, o também cotado à Presidência deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) tende a disputar a reeleição como presidente da Câmara em vez de se lançar candidato presidencial, enquanto o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), preenche os requisitos de "segurança e serenidade" que serão buscados pelos eleitores em outubro.

O presidente da Câmara disse até que o rebaixamento pode ajudar no convencimento dos parlamentares em torno da reforma da Previdência.

Meirelles afirmou que o Congresso tem aprovado as reformas importantes na área fiscal. E que está otimista para a aprovação delas, inclusive a reforma da Previdência.

Maia disse ser "uma pena" a posição de Meirelles e classificou o posicionamento do ministro como "resposta de um candidato", numa alfinetada à pretensão de Meirelles em vir a se candidatar à Presidência.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL