Chineses pretendem comprar C&A, afirma revista alemã

Judith Bessette
Janeiro 16, 2018

A cadeia de vestuário de origem holandesa C&A estará prestes a ser vendida a um consórcio de investidores chineses.

A C&A tem lojas na Europa, Ásia e América Latina.

Nos últimos anos, a gigante de têxteis tem enfrentado a competição crescente de lojas da internet e a concorrência de redes como a H&M. Na Alemanha, o faturamento da C&A caiu de 3,09 bilhões de euros em 2011 para 2,62 bilhões de euros em 2017.

Acorralado el piloto que atacó al Tribunal Supremo de Venezuela
La periodista Mari Montes publicó en su cuenta de Twitter un video de la madre del piloto, quien pidió que dejen que se entregue su hijo.

Sem citar diretamente a venda, a firma diz que "a atual transformação da C&A inclui a investigação de formas de acelerar áreas prioritárias e de alto crescimento, como China, mercados emergentes e digital, o que pode potencialmente envolver parcerias e outros tipos de investimento externo".

Assim, cada região da C&A sondou possibilidades de expansão com "uma série de parceiros, e continuará a fazê-lo, no contexto da estratégia de transformação", afirmou a companhia holding sediada em Zug, Suíça.

Fundada em 1841 pelos irmãos Clemens e August Brenninkmeijer, a C&A emprega aproximadamente 60 mil funcionários em 2 mil filiais no Brasil, Europa, México e China. A Cofra Holding representa os membros da família fundadora Brenninkmeijer, que atualmente possui mais de 1 mil integrantes reúne uma riqueza estimada em 20 bilhões de euros, de acordo com informações da revista alemã. De acordo com a C&A, há cerca de 16 mil trabalhadores empregados na operação brasileira.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL