Maia é candidato natural do DEM ao Planalto, diz Mendonça Filho

Judith Bessette
Janeiro 16, 2018

Ainda neste domingo, Maia tem encontros com líderes políticos na residência da missão do Brasil junto à Organização das Nações Unidas (ONU) e na segunda se reúne com o secretário-geral da instituição, António Guterres.

Sobre o tema, disse estar cético sobre uma possível vitória do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e defendeu que Lula se candidate e concorra. Tem que parar com essa questão de governo e oposição nesses temas. O atraso no encaminhamento da reforma da Previdência, juntamente com as incertezas sobre a eleição presidencial deste ano, estão entre os principais fatores que pesaram na decisão da agência."Vamos ver [se o rebaixamento dará força à reforma da Previdência]. Estamos fazendo uma análise de um por um e sabemos que tem alguns que são fundamentais, que a gente não quer mexer, entre eles está a Zona Franca [de Manaus]", adiantou.

Oficialmente, Maia disse que pediu apoio das lideranças dos dois partidos para aprovação da reforma da Previdência, considerada pelo grupo ligado a ele como vital para fazer a candidatura ao Palácio do Planalto deslanchar. Segundo Maia, o governo tem de se empenhar na reconstrução da base aliada para conseguir aprovar a medida. Precisamos encontrar uma solução para aprovar a reforma da Previdência. Eu nem acho que ele será o vencedor - disse.

O Congresso Nacional está em recesso parlamentar até fevereiro.

O ministro frisou que mesmo com o rebaixamento o governo espera uma retomada do mercado de trabalho em 2018, com uma geração de cerca de 2,5 milhões de postos de trabalho, enquanto o PIB deve avançar 3 por cento neste ano.

Ronaldo quer abandonar o Real Madrid, avança imprensa espanhola
O próximo compromisso do Real será contra o Leganés, na próxima quinta, pelas quartas de final da Copa do Rei. A situação é que temos que temos que fazer o possível para melhorar.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, que altera as regras de acesso à aposentadoria, tramita na Câmara desde o fim de 2016.

O presidente da Câmara, conforme reportado pelo jornal O Estado de S.Paulo, disse ainda que as denúncias oferecidas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) também influenciaram na revisão da nota de crédito do Brasil. A declaração foi dada a jornalistas durante viagem aos Estados Unidos.

"A Venezuela não aceita apoio do lado deles da fronteira e a nossa condição de apoio em Boa Vista não é a melhor, porque a nossa estrutura em Roraima, da possibilidade de saúde, educação e moradia não é tão grande e de fato gera impacto naquela região do país". "A classificação de risco que interessa à esmagadora maioria dos deputados é o risco eleitoral", avisou o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG).

Na quinta-feira, ele participa da Conferência Latino-Americana do Banco Santander, em Cancún, no México.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL