Vacina contra febre amarela já está em falta nas clínicas particulares

Patrice Gainsbourg
Janeiro 16, 2018

A auditora Keli Braga mora em Diadema, no ABC Paulista, onde não é considerado área de risco, mas pretende aproveitar o descanso do Carnaval, numa chácara, próxima a Mairiporã, em que a recomendação da vacina tem sido obrigatória, após a morte de macacos silvestres.

A porcentagem de pessoas que morrem após contrair a forma mais grave da doença fica em torno de 15% a 20%.

Os animais mortos foram recolhidos por uma equipe do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e um pela equipe da Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde.

O secretário frisou que o Rio dispõe de doses suficientes para toda a população, e por isso não haveria necessidade de antecipação. Em 3 de julho de 2017, a SES iniciou a campanha estadual de vacinação nos 92 municípios.

De acordo com a secretaria, as pessoas que ainda não se vacinaram devem buscar um posto de saúde próximo de casa para fazer a imunização.

Belfort exige pagamento por luta cancelada no UFC St. Louis
Ao final do seu texto, Vitor Belfort cobra o pagamento e respeito por parte da maior organização de MMA do mundo. Aldrich x Danielle Taylor, Mads Burnell x Mike Santiago e Guido Cannetti x Kyung Ho Kang.

Três pessoas foram internadas em Viçosa, na Zona da Mata, com suspeita de contaminação por febre amarela, de acordo com informações da prefeitura da cidade. Assim, os turistas devem se vacinar com dez dias de antecedência antes de passarem pela região. Foram dois óbitos em Valença, no Sul Fluminense, e um em Teresópolis, na Região Serrana.

"Nos dois primeiros meses de 2017, algumas cidades do Espírito Santo, do norte e do noroeste do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Minas Gerais contaram com um grande incremento no número de doses de vacina aplicadas", salienta o estudo da FGV.

No Rio, os corpos de quatro macacos prego encontrados na manhã de hoje em uma rua próxima à Floresta da Tijuca, serão encaminhados para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para que sejam feitos exames para identificar se estavam infectados pelo vírus da febre amarela.

Os casos registrados até agora são do tipo silvestre, transmitido por espécies de mosquitos presentes em áreas de mata. Destacam-se ainda, a capacitação de profissionais sobre a febre amarela, manejo ambiental para retirada de criadouros do Aedes Aegypti para se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados, e a pulverização no entorno dos casos suspeitos de dengue, zika e chikungunya.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL