Queda repentina desvaloriza em 50% preço de bitcoins — Bitcoins

Judith Bessette
Janeiro 18, 2018

Ao final da manhã, a maior criptomoeda do mercado caiu 10% para 9.610,05 dólares.

O bitcoin continua sofrendo fortes quedas nesta quarta (17) e caiu abaixo do patamar de US$ 10 mil. Para analistas, a queda ocorreu depois que países sinalizaram intenção de regular o setor de criptomoedas.

A 18 de dezembro, a bitcoin atingiu o valor mais elevado de sempre (19.511 dólares), mas desde então já perdeu 140 mil milhões de dólares em valor de mercado.

Segundo o site Metro, em uma entrevista a uma rádio local, o ministro disse que o governo da Coreia do Sul estava considerando banir a compra e venda do bitcoin e outras criptomoedas, mas que não há resistência do estado em regulamentar as moedas digitais. Há muitas especulações sobre o motivo da queda, entre elas uma possível proibição na Ásia de negociações envolvendo moedas virtuais.

O trio de jogos que esta semana chega à PS Store
Estamos muito contentes em anunciar que o sistema PlayStation 4 Pro estará disponível no Brasil a partir de 19 de fevereiro . Se têm uma Playstation e já são subscritores ou não do serviço Playstation Plus , vão ficar satisfeitos com esta notícia.

Naquele momento, os mercados foram influenciados pelo iminente lançamento de contratos futuros pela CME Group e CBOE - demonstrando o interesse dos gigantes de Wall Street em fazer parte do ecossistema das criptomoedas.

Estas medidas chegariam depois de Pequim ordenar no ano passado o encerramento das casas de câmbio de divisas digitais com sede no país, enquanto na Coreia do Sul o Governo está a actuar para controlar um mercado que se encontra sem regulamentação e que se caracteriza por uma extrema volatilidade.

Na segunda-feira (15), Joachim Wuermeling, diretor do Deutsche Bundesbank, banco central da República Federal da Alemanha, argumentou que as critptomoedas deveriam ser fiscalizadas mundialmente. É o caso do ethereum, do ripple e do bitcoin cash.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL