Senadores democratas viabilizam fim de paralisação governamental — EUA

Patrice Gainsbourg
Janeiro 22, 2018

De acordo com a agência Associated Press, o líder da minoria no Senado (democratas), Chuck Schumer, disse que os democratas concordaram em apoiar a lei para reabrir o governo depois que ele e o líder da maioria (republicanos), Mitch McConnell, chegaram a um acordo para debater uma lei de imigração até 8 de fevereiro. Não houve, no entanto, consenso entre eles, especialmente sobre o tema da imigração - um ponto de discórdia que ajudou a criar o impasse que levou ao shutdown.

Um acordo obtido entre democratas e republicanos nesta segunda-feira (22) tornou mais próximo o fim da paralisação do governo dos Estados Unidos. Porém, ainda não está claro se haverá apoio suficiente para sua aprovação. Em 2013, o Senado aprovou uma proposta abrangente de reforma migratória, que não chegou nem a ser votada na Câmara em razão da resistência da ala mais à direita do Partido Republicano.

Os democratas têm insistido em que qualquer legislação de financiamento de curto prazo para manter o governo federal em funcionamento deve incluir a protecção dos jovens imigrantes indocumentados - conhecidos como 'Dreamers' (sonhadores). Até lá, o Congresso deverá chegar a um acordo orçamentário definitivo.

O pacto saiu após uma maratona de negociações que terminou com os democratas conseguindo maiores compromissos migratórios dos rivais republicanos, mas precisa ser ratificado pela Câmara.

Maior hotel de Cabul atacado por rebeldes armados
Segundo informações da agência TOLOnews, um intenso tiroteio ocorreu na região em torno do hotel. Nenhum grupo assumiu responsabilidade pelo ataque.

"Não iremos negociar o estatuto de imigrantes ilegais enquanto o senador Schumer mantiver o governo de que dependem milhões de americanos e as nossas tropas como refém", dizia domingo a assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders.

Várias áreas do governo federal dos Estados Unidos estão paralisadas parcialmente desde as 00h de sábado devido à falta de um acordo, na sexta-feira, entre republicanos e democratas no Senado sobre uma proposta de orçamento provisório que manteria os serviços a funcionar. Por isso, desde sábado, 20 de Janeiro, que os serviços públicos estão paralisados.

Depois do Senado, o projeto que financia o governo até o dia 8 será enviado para a Câmara, ainda na tarde de segunda-feira, e sancionado por Trump a tempo de permitir a reabertura da administração já na terça-feira.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL