Avião que caiu com ministro catarinense Teori Zavascki não registrou pane — FAB

Judith Bessette
Janeiro 23, 2018

A comissão investigadora apontou que o piloto pode ter perdido o controle da aeronave por conta de uma desorientação espacial - causada por uma combinação de sensações de ilusão, chamadas "ilusão vestibular por excesso de G" e "ilusão visual de terreno homogêneo".

Ainda conforme a FAB, as condições de visibilidade na hora do acidente eram "restritas", embora o piloto do avião, Osmar Rodrigues, fosse "experiente".

Exames feitos durante a investigação da Aeronáutica mostram que o piloto não estava sob efeito de álcool ou outra substância que pudesse afetar as avaliações dele durante o voo.

Investigadores não identificaram falhas na aeronave nem problemas de saúde do piloto, fadiga ou sonolência.

Questionado sobre a possibilidade de sabotagem da aeronave que transportava Teori, que à época concentrava concentrava os inquéritos da operação Lava Jato no STF, o investigador afirmou que "no caso de indício de crime ou ato ilícito doloso, o Cenipa interrompe a investigação e comunica a autoridade policial competente". Quanto ao acidente que resultou na morte de Teori Zavascki, 18 especialistas participaram da apuração, entre pilotos, meteorologista, mecânico de aeronaves, médicos, psicólogos, fonoaudiólogos e engenheiros aeronáutico e mecânico.

O acidente completou um ano no último dia 19 e, nesta segunda, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) da FAB apresentou o relatório sobre as investigações. Segundo Marcelo, a visibilidade estava "restrita" e "muito abaixo" do que era o recomendado.

Papa pede desculpas às vítimas de abuso sexual
Mas pediu desculpa às vítimas por ter usado a palavra "provas" e por as ter magoado. Quinta-feira, o Papa reafirmou a sua confiança no bispo de Osorno, D.

A análise dos dados também descartou mal funcionamento dos motores ou dos equipamentos da aeronave e aponta que o acidente ocorreu durante uma arremetida, após duas tentativas de pouso em Paraty, segundo Moreno. Naquele momento, a visibilidade era boa em Paraty.

O coronel Marcelo Moreno, responsável pela investigação, informou que Rodrigues pilotava o avião desde 2010 e, nos 12 meses anteriores ao acidente, havia feito 33 voos com destino a Paraty.

As informações coincidem com a tese da Polícia Federal (PF), segundo a qual não houve ato intencional no acidente.

Em 10 de janeiro deste ano, a PF levou à presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, os principais resultados da investigação sobre a queda do avião.

A PF trabalha com a hipótese de desorientação espacial do piloto como principal explicação para a queda do avião King Air. O piloto chegou a arremeter e tentar pousar novamente, mas aeronava caiu no mar.

Além de Zavascki, que viajava de férias, e do piloto morreram o proprietário do hotel Emiliano de São Paulo e dono do avião, Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, 69, a massoterapeuta Maíra Panas, 23, e sua mãe, Maria Hilda Panas Helatczuk, 55. Moraes herdou cerca de 7,5 mil processos.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL