Cinco Bilionários têm a renda dos 50% mais pobres

Eloi Lecerf
Janeiro 23, 2018

Quatro em cada cinco dólares de riqueza gerados em 2017 terminaram nos bolsos do 1 por cento mais rico, enquanto a metade mais pobre da humanidade não recebeu nada, apontou um relatório publicado pela Oxfam nesta segunda-feira. Já em quinto lugar está Eduardo Saverin, do Facebook.

Lemann, que juntamente com os sócios conseguiu montar um império na área de bebidas graças a uma autorização conseguida no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, teve um papel relevante no golpe de 2016 ao permitir que a Fundação Estudar, mantida por ele, registrasse o domínio vemprarua.org, que promoveu uma série de manifestações contra o governo da presidente Dilma Rousseff. No Brasil, surgiram 12 novos bilionários no ano passado saindo de 31 para 43 integrantes na seleta lista. "A gente não encontrou ainda um caminho para enfrentar essa desigualdade". O patrimônio somado dos bilionários brasileiros chegou a R$ 549 bilhões em 2017, num crescimento de 13% em relação ao ano anterior. Em contrapartida, os 50% mais pobres viram sua participação encolher ainda mais, passando de 2,7% para 2%.

O fosso entre os bilionários e o resto da população não parou de aumentar no ano passado, com os 1% mais ricos a ficarem com 82% da riqueza criada, diz a Oxfam, uma confederação de 17 ONG que desenvolve trabalho no combate à fome e às desigualdades. 42 pessoas detêm tanta riqueza como os 3.7 mil milhões que formam a metade mais pobre da população mundial. "E o patrimônio geral também está aumentando", afirmou Rafael Georges, coordenador de campanhas da entidade. Além disso, um aumento recorde de bilionários foi registrado - um a cada dois dias -, chegando ao patamar de 2.043 bilionários no mundo. Atualmente, há 2.043 pessoas no grupo dos bilionários do mundo, e a cada 10 bilionários, nove são homens. O crescimento seria o suficiente para acabar sete vezes com a pobreza extrema do planeta.

Palmeiras bate o Botafogo em Ribeirão Preto e fecha rodada com 100%
Diego, Dodô e Bruno Moraes tiveram boas oportunidades para o Botafogo-SP, mas apenas em uma delas Jailson teve de trabalhar. Da mesma forma como aconteceu no início do jogo, o Palmeiras começou o segundo tempo com muito mais intensidade.

A ONG aposta na geração de empregos decentes como mecanismos de diminuição das desigualdades.

"Isso significa que há mais pessoas concentrando riqueza". No ritmo atual, seriam necessários 217 anos para reduzir as disparidades entre homens e mulheres. "A Oxfam estima que um imposto global de 1,5% sobre a riqueza dos bilionários poderia cobrir os custos de manter todas as crianças na escola".

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL