Operação Lex: cinco detidos, Rui Rangel e Vieira entre os arguidos

Vincent De Villiers
Fevereiro 3, 2018

O juiz desembargador Rui Rangel, arguido na 'Operação Lex', não compareceu hoje na secção de trabalho da nona secção criminal do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) por "razões de natureza pessoal".

Suspeito de tráfico de influências, o presidente do Benfica, tem como medida de coação termo de identidade e residência.

São já conhecidos cinco detidos: o advogado Santos Martins, o seu filho, um oficial de justiça, um outro advogado e a mãe de uma filha de Rangel, Rita Figueira. "São totalmente especulativas todas as interpretações que envolvam o nome desta instituição", lê-se no comunicado de duas linhas publicado no site do clube.

Neymar aciona Barcelona na Justiça e pede R$ 170 milhões
De acordo com o jornal espanhol " El Mundo ", o craque brasileiro do PSG entrou com uma demanda judicial contra o seu ex-clube. Nesta quarta, o periódico El Mundo , de Madri, publicou que o brasileiro "declarou guerra" ao Barcelona na justiça .

Falando aos jornalistas no Campus da Justiça, em Lisboa, João Correia, que esteve presente nas buscas na SAD, adiantou que a Polícia Judiciária (PJ) levou "documentação contabilística" relacionada com algumas personalidades ligadas ao Benfica, mas não com a atividade concreta do clube.

A primeira sessão de apresentação ao juiz terminou cerca 23h30, com os detidos a abandonarem o Supremo Tribunal de Justiça cerca das 23h50, por uma porta lateral. O inquérito a Rui Rangel está a ser dirigido pelo coordenador do MP neste tribunal, o procurador geral-adjunto Paulo Sousa, que tem estado a investigar o caso com a ajuda de diversos procuradores do Departamento Central de Investigação e Acção Penal, que investiga a Operação Rota do Atlântico.

Na altura, o Correio da Manhã noticiou que o juiz Rui Rangel era suspeito de receber indevidamente verbas do empresário do futebol José Veiga, arguido no processo Rota do Atlântico. Não foi detida por causa do seu estatuto de juíza e deverá ser ouvida no próximo dia 8, no Supremo.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL