Câmara aprova orçamento nos EUA e põe fim a apagão administrativo

Patrice Gainsbourg
Fevereiro 9, 2018

Dessa vez, a expectativa, no início da madrugada, era de que a paralisação pudesse ser encerrada no decorrer do dia, mas depois do término da votação no Senado, o projeto ainda precisa ir ao plenário da Casa de Representantes (a Câmara dos Deputados).

Fim do "apagão". A Câmara dos Estados Unidos aprovou o novo orçamento para o governo de Donald Trump nesta sexta-feira (9), algumas horas depois do segundo shutdown congelar as contas públicas.

Capitólio, em Washington. O Senado americano aprovou matéria que 'desbloqueia' orçamento norte-americano.

Com o governo paralisado, milhares de funcionários ficam de licença, sem trabalhar.

O presidente Donald Trump é favorável à manutenção do Daca, mas quer garantidos os recursos para a construção do muro fronteiriço.

STF referenda lei de MS sobre plano de saúde e Mochi comemora
Entre eles, os artigos 10 , 11 e 12 da Lei 9.656/1998, que estabelecem parâmetros para a atuação do particular no mercado de planos de saúde.

A iniciativa, que amplia o gasto federal por apenas seis semanas para dar tempo à redação do projeto final, aumenta o teto da dívida pública durante os próximos dois anos, permitindo por fim ao financiamento a curto prazo que se tornou norma e impedindo que o governo planeje investimentos de longo prazo.

A paralisação poderá, portanto, ser de breve duração, mas é ilustrativa da polarização dos senadores e congressistas, depois de a proposta ter recebido o apoio dos líderes republicanos e democratas das duas câmaras parlamentares.

A iniciativa aumentará significativamente a dívida pública, já que a reforma tributária aprovada em dezembro gerou uma queda profunda da arrecadação.

O projeto orçamentário teve aumento de gastos federais de mais de US$ 300 bilhões e isso se soma ao impasse sobre o futuro dos jovens beneficiários do Daca - o programa de ação deferida para imigrantes chegados na Infância.

O acordo dá a Trump a oportunidade de cumprir uma de suas promessas de campanha: o aumento do orçamento militar.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL