Procuradoria de NY denuncia Harvey Weinstein e produtora

Rebecca Barbier
Fevereiro 12, 2018

Eric Schneiderman, procurador-geral do estado de Nova York, preencheu ação judicial contra a The Weinstein Company, produtora dos irmãos Harvey e Bob Weinstein. Atrizes como Uma Thurman, Gwyneth Paltrow, Angelina Jolie, Rosanna Arquete e Salma Hayek já o acusaram.

Desde outubro, centenas de mulheres acusaram importantes empresários, políticos e personalidades da indústria do entretenimento de abuso sexual, se unindo ao movimento virtual "MeToo", que chama atenção para casos de violência sexual nos Estados Unidos.

"A ação do procurador-geral garante que executivos da empresa e da direção fracassaram repetidamente em proteger funcionários de contínuo assédio sexual, intimidação e discriminação do então presidente Harvey Weinstein", afirma a procuradoria em um comunicado. Outro grupo de funcionários, quase todos mulheres, eram assistentes que tinham que manter o espaço em sua agenda para atividades sexuais e adotar medidas para aumentar sua vida sexual, contactando "Amigos de Harvey" por telefone ou mensagens de texto a seu pedido. Ben Brafman, cujo cliente negou consistentemente todas as acusações de sexo não-consensual com as suas muitas acusadoras, acredita que "uma investigação justa demonstrará que muitas das alegações contra Harvey Weinstein não têm mérito". "Se o objetivo do processo é encorajar uma mudança na indústria cinematográfica, o Sr".

Flamengo e Botafogo duelam por vaga na final da Taça Guanabara
Numa jogada individual pela esquerda, o atacante ajeitou e chutou de fora da área no ângulo oposto do golerio Jefferson: 3 a 1 . Everton , na primeira oportunidade, aproveitou falha de Arnaldo e abriu o placar para o Rubro-negro.

Weinstein está sendo investigado pelas polícias dos EUA e do Reino Unido, mas ainda não foi acusado formalmente de nenhum crime. "Mas se o propósito é fazer dele um bode-expiatório, ir-se-á defender de forma vigorosa", acrescenta-se.

Além de Nova York, Weinstein também responde a processos em Londres e Nova York. O processo tem afinal em parte o objectivo de garantir que "qualquer venda da Weinstein Company tem de garantir que as vítimas serão compensadas, [que] os empregados [serão] protegidos doravante e que nem os perpetradores nem os facilitadores sejam injustamente enriquecidos". A decisão do Estado de Nova York acontece quatro meses depois do início das denúncias contra o produtor, objeto de inúmeras acusações de agressões e estupro, mas até o momento o produtor não foi indiciado. O processo deu entrada no Supremo Tribunal de Nova Iorque e para já congelou a operação de venda, que segundo o acordo de aquisição não iriam receber dinheiro pela operação.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL