CIA e FBI pedem para americanos não comprarem celulares de fabricantes chinesas

Judith Bessette
Fevereiro 16, 2018

Segundo um relatório da CNBC, os chefes de inteligência fizeram a recomendação durante uma audiência do Comité de Inteligência do Senado, na passada terça-feira. Fundada por um ex-engenheiro do Exército Popular de Libertação da China, a Huawei já foi descrita pelos políticos americanos como "um braço do governo chinês".

A empresa chinesa já tinha sido impedida de se candidatar a contratos públicos promovidos pelo governo dos EUA, em 2014, o que provocou sérios problemas à empresa ao nível das vendas naquele país.

Entretanto, a popularidade da Huawei no mercado de smartphones nos últimos anos colocou a companhia novamente no radar das agências.

Ainda assim, a preocupação com a Huawei persiste e se intensificou em 2017, quando, em setembro, a fabricante ultrapassou a Apple e passou a ocupar o posto de segunda maior fabricante de smartphones do mundo. Apesar disso, a empresa nunca conseguiu conquistar o mercado norte-americano, fracasso causado em parte pela hostilidade do governo americano com as fabricante chinesas. Isso ocorreu devido a pressões políticas que hoje ficaram confirmadas.

MC Loma atinge o 1º lugar no Top 50 no Spotify Brasil
Elas conseguiram ultrapassar " Vai Malandra ", da Anitta , que estava ocupando o topo da lista desde seu lançamento, em dezembro. O sucesso repentino veio com o clipe caseiro de " Envolvimento ", que já soma mais de 24 milhões de visualizações no YouTube.

"Estamos profundamente preocupados com os riscos de deixar qualquer empresa ou entidade que tenha obrigações com governos estrangeiros que não compartilham nossos valores ganhem posição de poder nas redes de telecomunicações..." Durante seu keynote na CES 2018, o CEO da Huawei, Richard Yu, descreveu o movimento como uma "grande perda" para a empresa, mas uma perda maior para os consumidores.

De acordo com o portal The Verge, ele ainda complementou afirmando que essa permissão proporcionaria ao país a capacidade de modificar ou roubar informações de forma maliciosa por conta da proximidade que as empresas têm com o governo chinês. "E proporciona a capacidade de realizar espionagem não detectada".

Os legisladores dos EUA estão atualmente a ponderar um projeto de lei que proibiria os funcionários do governo de usar telefones da Huawei e da ZTE. "A nossa empresa é confiada por governos e clientes em 170 países em todo o mundo", disse um porta-voz.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL